PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
8 meses

OMS tem suprimento médico para apenas uma semana no Afeganistão

17.ago.2021 -Os combatentes do Taleban patrulham rua em Cabul após tomada do poder no Afeganistão - Wakil Kohsar/AFP
17.ago.2021 -Os combatentes do Taleban patrulham rua em Cabul após tomada do poder no Afeganistão Imagem: Wakil Kohsar/AFP

Da AFP

24/08/2021 12h25Atualizada em 24/08/2021 14h27

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou nesta terça-feira (24) que tem suprimentos médicos suficientes no Afeganistão para "uma semana", após a tomada de Cabul por parte dos talibãs em 15 de agosto passado.

"A OMS conta atualmente com suprimentos no país para apenas uma semana", disse Ahmed al Mandhari, chefe da OMS para a região do Mediterrâneo Oriental, que vai do Marrocos ao Afeganistão.

"Ontem (segunda-feira), 70% desses insumos foram entregues a postos de saúde", acrescentou.

Mandhari afirmou ainda que 500 toneladas de remédios e suprimentos foram retidas em Dubai, devido aos esforços caóticos de retirada no aeroporto de Cabul. No momento, voos comerciais não estão autorizados.

"Os países que enviam aviões vazios para recolher pessoas não se sentem em condições de nos dar ajuda", lamentou Mandhari.

No domingo, a OMS e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) pediram em conjunto que "se estabeleça, de imediato, uma ponte aérea humanitária confiável e dinâmica a poder enviar suprimentos" ao Afeganistão.

"Mesmo antes dos acontecimentos das últimas semanas, o Afeganistão já representava a terceira maior operação humanitária do mundo, com mais de 18 milhões de pessoas com necessidades de assistência em saúde", dizia o comunicado de domingo.

As tropas lideradas pelos Estados Unidos intensificaram as operações para retirar milhares de pessoas de Cabul, depois que os talibãs avisaram que não vão permitir a extensão do prazo de sua saída total para além de 31 de agosto.

Pelo menos 50 mil estrangeiros e afegãos deixaram o país, pelo aeroporto de Cabul, depois da tomada de poder pelos talibãs.

Internacional