PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Especialistas recomendam dose de reforço da Moderna para idosos e grupos de risco nos EUA

Vacina contra a covid-19 da Moderna em centro de vacinação no Hospital Robert Bosch, em Stuttgart, na Alemanha - Bernd Weibbroad/dpa/picture alliance via Getty Images
Vacina contra a covid-19 da Moderna em centro de vacinação no Hospital Robert Bosch, em Stuttgart, na Alemanha Imagem: Bernd Weibbroad/dpa/picture alliance via Getty Images

Da AFP, em Washington (EUA)

14/10/2021 18h28

Um grupo de especialistas recomendou uma terceira dose da vacina da Moderna nos Estados Unidos nesta quinta-feira (14) para determinados grupos, um mês depois de tomar a mesma decisão sobre o imunizante da Pfizer.

A opinião desse comitê consultivo da Agência de Medicamentos e Alimentos (FDA) dos Estados Unidos - formado por pesquisadores, epidemiologistas e especialistas em doenças infecciosas - não é vinculativa, mas é incomum que a agência não a siga.

Após um dia de debate, os especialistas concordaram em autorizar a administração de uma dose de reforço de Moderna a três categorias de pessoas: maiores de 65 anos, aqueles com alto risco de desenvolver uma forma grave da doença e aqueles cujo trabalho ou situação envolve exposição "frequente" ao vírus.

A última categoria inclui trabalhadores de supermercado, profissionais de saúde, presidiários e moradores de rua.

Os mesmos parâmetros foram utilizados para a aprovação da terceira dose da Pfizer.

Este reforço pode ser administrado seis meses após a segunda injeção da vacina da Moderna. A dose é de 50 microgramas, metade do que contêm as duas primeiras injeções.

Em sua apresentação ao comitê, uma representante da Moderna argumentou que a dose de reforço ajudaria a combater a variante delta em um momento em que a vacina está se tornando cada vez menos eficaz contra infecções e casos leves da doença, embora ainda seja eficaz contra casos graves.

O comitê deve se reunir novamente na sexta-feira, desta vez para aconselhar a FDA sobre a conveniência de uma dose de reforço da vacina da Johnson & Johnson.

Também serão discutidos os resultados de um estudo publicado esta semana que analisou a possibilidade de usar, para a dose de reforço, uma vacina diferente da série inicial de injeções, algo não permitido atualmente nos Estados Unidos.

O estudo sugere que as pessoas que receberam a vacina Johnson & Johnson podem se beneficiar ao receber uma dose de reforço de uma vacina de uma tecnologia diferente, como o RNA mensageiro.

Quase 15 milhões de americanos receberam uma dose da vacina Johnson & Johnson e quase 70 milhões estão totalmente vacinados com Moderna.

Se a FDA autorizar oficialmente as doses de reforço de ambas as vacinas, um comitê de especialistas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) terá que emitir seu próprio parecer na próxima semana, em reunião marcada para quarta e julho.

Os CDC publicarão então recomendações específicas para essas injeções, que serão usadas pelos profissionais de saúde que as administram.

Internacional