Conteúdo publicado há 1 mês

EUA anunciam mais sanções contra Rússia pela guerra na Ucrânia

Os Estados Unidos anunciaram, nesta quarta-feira (12), às vésperas da cúpula do G7 na Itália, uma série de sanções contra mais de 300 entidades, como a Bolsa de Moscou, com o objetivo de frear a guerra na Ucrânia e pressionar as instituições financeiras que mantêm negócios com a Rússia.

"As ações de hoje afetam as vias que lhes restam (à Rússia) para obter materiais e equipamentos internacionais, incluindo sua dependência de suprimentos essenciais de países terceiros", declarou a secretária do Tesouro americano, Janet Yellen, sobre as novas medidas.

"Aumentamos o risco para as instituições financeiras que tratam com a economia de guerra da Rússia, eliminamos as possibilidades de evasão, e diminuímos a capacidade da Rússia de se beneficiar do acesso à tecnologia, equipamentos, software e serviços informáticos estrangeiros", acrescentou, citada em um comunicado.

As medidas de Washington afetam entidades localizadas na Rússia e em países como China, Turquia e Emirados Árabes Unidos.

Entre elas destaca-se a Bolsa de Moscou e várias filiais, com o objetivo de dificultar transações no valor de bilhões de dólares, assim como entidades envolvidas em três projetos de gás natural liquefeito.

Além disso, o Departamento do Tesouro americano ampliou sua definição do complexo "militar-industrial" russo.

Atualmente, os bancos estrangeiros podem ser sancionados por apoiar a indústria de defesa russa, mas também serão punidos se realizarem transações com pessoas e entidades russas que já foram alvo de sanções americanas. Desta forma, a lista aumenta de mais de 1.000 para cerca de 4.500.

Esta nova rodada de sanções diz respeito a redes transnacionais e afeta mais de 90 indivíduos e entidades a nível internacional, informou o Tesouro.

Os Estados Unidos consideram que os bens e serviços dessas redes estrangeiras ajudam a Rússia na guerra na Ucrânia.

Continua após a publicidade

O anúncio das sanções foi feito na véspera da cúpula do G7, que ocorrerá quinta e sexta-feira na Itália, durante a qual o presidente americano, Joe Biden, repetirá que "o tempo não está ao lado" do mandatário russo, Vladimir Putin, segundo um porta-voz da Casa Branca.

A cúpula também será uma oportunidade para anunciar "novas sanções e medidas de restrição às exportações", acrescentou a fonte.

Deixe seu comentário

Só para assinantes