PUBLICIDADE
Topo

Duas fábricas clandestinas de álcool em gel são descobertas na Grande SP

Em Osasco, foram apreendidas 15 caixas fechadas contendo 25 frascos de álcool em gel de 500 ml falsificados - Polícia Civil
Em Osasco, foram apreendidas 15 caixas fechadas contendo 25 frascos de álcool em gel de 500 ml falsificados Imagem: Polícia Civil

02/04/2020 09h54

Duas fábricas clandestinas de álcool em gel na Região Metropolitana de São Paulo, uma na capital e outra em Mogi das Cruzes, foram descobertas respectivamente pelas polícias Civil e Militar hoje.

A fábrica na capital operava no bairro do Jaraguá, na zona oeste, e foi descoberta após policiais da Delegacia de Investigações sobre Entorpecentes abordarem um homem com uma caixa de álcool em gel de origem suspeita em Osasco, cidade também localizada na Grande São Paulo.

Já a de Mogi das Cruzes foi descoberta após policiais do 17° Batalhão de Policia Militar Metropolitana (BPM/M) irem verificar uma denúncia anônima no bairro da Vila Cidinha.

No Jaraguá, homem de 33 anos foi indiciado

O homem abordado pelos policiais em Osasco disse que o produto era para seu uso pessoal e indicou o lugar em que fez a compra na capital paulista. Ao chegarem na fábrica no Jaraguá, foram encontrados também diversos xampus falsificados.

No flagrante, foram apreendidas 15 caixas fechadas contendo 25 frascos de álcool em gel de 500 ml falsificados, 11 galões de 50 litros com substâncias para envasar os frascos vazios, além de diversos outros materiais de insumo para manipulação dos produtos.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, um homem de 33 anos foi preso depois de confessar aos policiais a manipulação das mercadorias para posterior venda.

"O autor foi indiciado por falsificar, corromper, adulterar ou alterar produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais. Ele foi encaminhado à Cadeia Pública, onde permanece à disposição da Justiça", disse o órgão.

Em Mogi, casal produzia álcool em gel em larga escala

No endereço na Vila Cidinha, policiais foram recebidos por um casal que, indagados sobre se produziam o produto, disseram que apenas envasavam o álcool em gel que já recebiam pronto, mas admitiram não possuir autorização para fazer tal procedimento.

Os policiais entraram no local e constataram uma produção em larga escala com uso de maquinários industriais. Também foram encontrados cosméticos produzidos sem autorização na fábrica clandestina, segundo a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo.

Amostras dos produtos e insumos foram recolhidas para perícia. O serviço de vigilância sanitária do município também compareceu no imóvel, realizando autuações administrativas.

Foram encontrados no local duas caixas d'água com substância semelhante ao álcool em gel, galões contendo substâncias inflamáveis e outros produtos químicos, além dos maquinários e produtos já embalados para a comercialização.

O casal foi preso e levado para o Setor de Investigações Gerais (SIG) de Mogi e, assim como o homem de Osasco, ambos foram autuados por falsificar, corromper ou alterar produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais, além de produzir substância tóxica.

Coronavírus