Vice-presidente do PMDB diz que partido não mudou de posição

De São Paulo

  • Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

    Romero Jucá (à direita) cumprimenta Eduardo Cunha

    Romero Jucá (à direita) cumprimenta Eduardo Cunha

O senador Romero Jucá, vice-presidente nacional do PMDB, porta-voz do anúncio oficial feito na terça-feira, 29, de rompimento da sigla com o governo da presidente Dilma Rousseff, rebateu nessa quarta-feira (30) a acusação do PT de que o movimento de seu partido é um golpe.

Em entrevista à Rádio Estadão, Jucá argumentou que o PMDB não está dando nenhum golpe e nem se movimentando para tirar a presidente Dilma Rousseff do Palácio do Planalto.

"Quem fez essa manifestação, quem quer a saída da presidente é o país, as forças das ruas, os segmentos organizados e as diversas representações de empresários e trabalhadores que sabem que o governo (do PT) não tem mais a condição e a legitimidade de construir uma alternativa para o país. O PMDB está apenas verbalizando que não concorda com o quadro que existe hoje e não quer ser parceiro (do PT)." Nota: o PMDB esteve com o PT nos últimos 13 anos.

Na entrevista, o líder disse que tem visto na bancada de seu partido uma vontade majoritária para o impeachment de Dilma prosseguir.

Indagado sobre a declaração do presidente do Senado Federal, seu correligionário Renan Calheiros, que disse esperar que o processo de impeachment não chegue ao Senado, Romero Jucá afirmou que diverge dessa posição. "Renan se acautelou, respeitamos a torcida pessoal dele, mas a torcida do povo brasileiro, que é maior, espera que (o processo) chegue (ao Senado)." Apesar da divergência, Jucá disse não ter dúvidas de que Renan tratará do assunto - se o impeachment tramitar no Senado - de forma institucional, equilibrada e o processo caminhará. "Eu espero que chegue porque o País tem que dar a volta por cima, não dá mais para ficar do jeito que está, travado, empresas fechando e pessoas perdendo seus empregos."

Na sua avaliação, o PMDB acordou hoje "mais leve" com a decisão tomada por 82% de correligionários presentes no Diretório Nacional, votando por aclamação. E reiterou que a partir de hoje ninguém está autorizado a exercer cargo do PMDB no governo federal. Segundo ele, além de Henrique Eduardo Alves, outros ministros estão se preparando para o desembarque.

"O PMDB agiu acertadamente porque a situação do Brasil hoje é gravíssima e não podemos compactuar com o quadro econômico e social que está se deteriorando rapidamente no país." Indagado sobre eventuais resistências, disse esperar que isso não ocorra.

O senador peemedebista afirmou que tem o maior respeito pela presidente Dilma, mas o seu governo perdeu o eixo. E justificou o desembarque do seu partido da gestão petista, sob alegação de que a motivação não foi pessoal, mas política. "O governo disputou a eleição de 2014 com um discurso e a realidade hoje é outra, então o PMDB não mudou de posição", disse, alegando que a sigla está cobrando posições e se posicionando sobre um quadro gravíssimo. "A solução desse imbróglio tem que vir pela política, o Brasil não precisa de um bravateiro."

Sobre os riscos de Temer assumir um país fragilizado, disse que o maior partido do país não pode se furtar a enfrentar este desafio e colocar as providências para a saída da crise em andamento. "Se o PMDB não fizer, quem fará?", indagou. E lembrou que a legenda já conviveu com vários confrontos ao longo de seus 50 anos.

Lava Jato

O senador disse que o PMDB apoia a Lava Jato. "Essa operação muda os parâmetros da política no Brasil. Mas acho que ela não pode ser o centro do governo e o centro do país, o governo tem que governar, tem que sair do imobilismo e paralelamente a Lava Jato vai investigando, quem tiver culpa deve ser punido e quem não tiver, o Ministério Público deve ter a responsabilidade de isentar, não há demérito em ser investigado, o demérito é ser condenado."

No caso de integrantes do PMDB, Jucá disse que eles devem ter direito de defesa, mas todos devem responder perante a lei. "Não há ninguém acima da lei, é importante que a Lava Jato continue com rapidez, para que fique claro quem cometeu ou não crimes."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos