PUBLICIDADE
Topo

Mandetta não cita EUA, mas critica intervenções em compras de materiais contra covid-19

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, e o presidente dos EUA, Donald Trump, durante jantar na Flórida - Jim Watson/AFP
O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, e o presidente dos EUA, Donald Trump, durante jantar na Flórida Imagem: Jim Watson/AFP

André Borges e Julia Lindner

em Brasília

03/04/2020 17h54

Sem mencionar nominalmente os Estados Unidos, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, fez duras críticas à postura do governo americano, que tem atuado para concentrar todas as compras de insumos emergenciais produzidos pela China, deixando o Brasil e demais países desassistidos mesmo após terem efetuado suas compras.

"Estamos vendo retenção sobre produções globais de máscaras. Quase que uma coisa assim: 'isso era global, agora é só pra atender o meu país'. Nós estamos dialogando com os países no sentido de ter um mínimo de racionalidade nesse momento, pra podermos achar um ponto de equilíbrio", disse Mandetta.

O ministro ponderou que a China permaneceu fechada durante fevereiro e março com seus insumos para atender o mercado interno, mas isso gerou um problema em todo mundo, já que os chineses são responsáveis por mais de 90% da produção mundial desses equipamentos e insumos de proteção. O problema, no entanto, é que o presidente Donald Trump tem atuado para que os insumos sejam todos direcionados aos Estados Unidos.

"O momento continua difícil em termos de abastecimento de respiradores. Nós não confirmamos hoje o que vai entrar de respiradores e material", comentou Mandetta, ao citar que a Bahia esperava a chegada de 680 respiradores, o que não ocorreu.

Coronavírus