PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Ministério da Saúde diz que postagem que defendia isolamento foi apagada por 'informações equivocadas'

Ministério da Saúde diz que postagem que defendia isolamento foi apagado por "informações equivocadas" -                                 Marcello Casal JrAgência Brasil
Ministério da Saúde diz que postagem que defendia isolamento foi apagado por 'informações equivocadas' Imagem: Marcello Casal JrAgência Brasil

Rafael Moraes Moura

Brasília

18/11/2020 21h31

O Ministério da Saúde informou, em nota divulgada na noite de hoje que excluiu do Twitter uma postagem que defendia o isolamento social contra a disseminação do novo coronavírus por "trazer informações equivocadas". A publicação reconhecia não existir vacina ou medicamento contra a covid-19, além de orientar o uso de máscara.

As orientações seguiam cartilhas de autoridades sanitárias e entidades médicas, mas chamaram a atenção nas redes sociais por se contrapor ao discurso adotado pelo presidente Jair Bolsonaro, que minimiza a gravidade da pandemia e estimula o uso de medicamentos sem eficácia comprovada contra o novo coronavírus, como a hidroxicloroquina.

"É importante lembrar que, até o momento, não existem vacina, alimento específico, substância ou remédio que previnam ou possam acabar com a covid-19. A nossa maior ação contra o vírus é o isolamento social e a adesão das medidas de proteção individual", dizia a publicação do Ministério da Saúde, que acabou apagada.

Em nota, o Ministério da Saúde esclareceu que a mensagem "foi apagada - e posteriormente corrigida - por trazer informações equivocadas". "Um erro humano que já foi corrigido", sem detalhar quais as informações imprecisas que haviam sido divulgadas.

Na nota, a pasta reforçou a importância do atendimento precoce contra a covid-19 e medidas de prevenção, como a lavagem das mãos, o uso de álcool em gel e de máscaras, até que seja encontrada uma solução efetiva para atender a população e evitar o risco de contágio. "O protocolo de tratamento para a doença e uso de medicamentos está a critério dos profissionais de saúde, em acordo com a vontade dos pacientes", prosseguiu o órgão.

No fim de outubro, Bolsonaro chegou a afirmar que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, era "mais um caso concreto" de que o uso da cloroquina "deu certo", em vídeo gravado ao lado do general. Na ocasião, Pazuello disse que estava "zero bala" após tomar o remédio, mas teve de ser internado, dias mais tarde. No último dia 11, já de volta ao trabalho, Pazuello reconheceu ainda sentir efeitos do vírus. "É uma doença complicada. É difícil você voltar ao normal", afirmou.

Confira, abaixo, a íntegra da nota divulgada pelo Ministério da Saúde:

"O Ministério da Saúde esclarece que a resposta ao tweet publicado na manhã desta quarta-feira (18) foi apagada - e posteriormente corrigida - por trazer informações equivocadas. Um erro humano que já foi corrigido.

A pasta reforça a importância do atendimento precoce contra a Covid-19 e medidas de prevenção, como a lavagem das mãos, o uso de álcool em gel e de máscaras, até que seja encontrada uma solução efetiva para atender a população e evitar o risco de contágio. O protocolo de tratamento para a doença e uso de medicamentos está a critério dos profissionais de saúde, em acordo com a vontade dos pacientes.

Reiteramos o compromisso da Pasta com a saúde da população brasileira e trabalhamos diuturnamente para obter uma vacina segura, eficaz e em quantidade o quanto antes para disponibilizar aos brasileiros."

Coronavírus