Secretaria e manifestantes dão versões distintas sobre uso de sangue falso em confusão na Alesp

A Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, subordinada ao governador Tarcísio de Freitas (Republicanos), declarou nesta sexta-feira, 8, que não descarta a hipótese de que manifestantes tenham usado "produtos artificiais com coloração e aspectos semelhantes ao sangue humano" para fingir ferimentos após confronto com a polícia na Assembleia Legislativa do Estado (Alesp). A pasta disse que teriam sido encontrados materiais do tipo entre pessoas que estavam no plenário, mas nada foi apreendido, e que as circunstâncias do caso ainda estão sendo apuradas. Os manifestantes, porém, dizem que batom estava com outras maquiagens na bolsa de uma manifestante e tem textura completamente diferente de sangue, e divulgaram um vídeo que mostra uma mulher sendo atingida na cabeça.

A alegação de uso de sangue falso foi explorada por bolsonaristas nas redes sociais. Eles alegam que teria existido armação no caso. Houve de fato, porém, confronto violento entre a Polícia Militar e manifestantes antes da votação do projeto de privatização da Sabesp, na quarta-feira, 6 de dezembro, que terminou com manifestantes e policiais feridos. Além das cenas gravadas, o Estadão confirmou que pessoas foram atendidas na área de saúde da Alesp, localizada no terceiro andar do prédio. A Casa Legislativa foi procurada para se falar oficialmente sobre os atendimentos mas ainda não se manifestou.

A informação de que a Polícia Civil de São Paulo abriu uma investigação para apurar o caso foi noticiada na quarta-feira, 7, pelo site Metrópoles. A suspeita se baseia num vídeo que circulou entre policiais, deputados e integrantes do governo paulista. Nele, uma pessoa não identificada abre um tubo de batom líquido vermelho que teria sido encontrado no local e passa o material no braço de outra.

Em nota, a Unidade Popular (UP) disse que o batom estava na bolsa de uma militante junto com outras maquiagens e "tem uma textura completamente diferente de sangue". O partido diz que a alegação é "absurda" e reitera que manifestantes foram agredidos e sofreram sangramentos por conta de golpes de cassetete desferidos pelos policiais. Ao menos dois PMs também tiveram cortes na cabeça.

Relembre o caso

A sessão extraordinária que discutiu o projeto de lei de privatização da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), na quarta-feira, 6, foi marcada por um confronto entre manifestantes e a Polícia Militar. O projeto foi aprovado por 62 votos a 1, sem a presença da oposição no plenário.

Imagens da confusão mostram manifestantes forçando um vidro que separa o plenário da plateia e tentando invadir o local. Para contê-los, agentes da PM usaram gás de pimenta. A substância se espalhou por todo o plenário e fez deputados esvaziarem o local às pressas. Manifestantes ficaram feridos, e quatro pessoas foram detidas.

Deputados da oposição se negaram a retomar os debates após o episódio e acusaram o presidente da Alesp, deputado André do Prado (PL), de cercear a atividade parlamentar com a continuidade da sessão. A base aliada de Tarcísio criticou a oposição dizendo que a confusão seria uma estratégia para protelar a análise do projeto, aprovado em seguida. A matéria deve ser judicializada.

Na quarta-feira, Justiça de São Paulo manteve a prisão de dois manifestantes detidos durante votação da privatização da Sabesp. As prisões em flagrantes foram convertidas em preventiva em audiência de custódia realizada nesta quinta-feira, 7. Os presos são o estudante da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e integrante do Movimento Correnteza, Hendryll Luiz Rodrigues de Brito Silva; e o membro do Movimento de Luta de Classes, o professor Lucas Borges Carvente. Já a presidente estadual da organização Unidade Popular, Vivian Mendes da Silva; e o membro do Movimento Luta de Classes, o metroviário Ricardo Senese, tiveram concedida a liberdade provisória.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes