Em Davos, Macri e Cameron debatem retomada e Malvinas

Em São Paulo

  • Victoria Egurza/Telam/Xinhua

    Mauricio Macri, presidente da Argentina

    Mauricio Macri, presidente da Argentina

Em encontro em Davos, na Suíça, o presidente argentino, Mauricio Macri, e o premiê britânico, David Cameron, acordaram em relançar as relações bilaterais que passaram por fortes tensões durante o kirchnerismo, principalmente por conta da disputa pelas ilhas Malvinas, além de aprofundar o diálogo sobre o tema.

Após o encontro, Macri disse a jornalistas que "foi uma reunião construtiva" e que quer "que sejam debatidos [com Londres] todos os temas, inclusive as Malvinas", de domínio britânico, porém contestado pelo governo argentino.

A chanceler argentina, Susana Malcorra, destacou, como informou o jornal local "La Nación", que a relação não será "malvinizada", mas também não pretende "desmalvinizá-la". Malcorra ainda explicou que uma delegação britânica irá viajar para a Argentina para debater os termos da retomada.

Além de Malvinas, outros assuntos que devem ser debatidos são a luta contra o narcotráfico, contra a corrupção, contra o aquecimento global e o apoio britânico para o desenvolvimento financeiro da Argentina.

Após o encontro, um comunicado oficial britânico declarou que "nossa posição sobre as Malvinas segue a mesma, e o recente referendo foi absolutamente claro a respeito da vontade dos habitantes locais de continuarem sendo britânicos".

Histórico

Desde 1833, Buenos Aires e Inglaterra brigam pelo arquipélago, que é chamado de Falkland Islands pelos britânicos. Sob o governo ditatorial de uma junta militar, em 1982 os argentinos decidiram invadir o local para uma retomada à força. Porém, pouco tempo após o início do sangrento confronto, Buenos Aires se rendeu. Mais de 600 militares sul-americanos e 255 britânicos morreram nos combates.

No governo de Cristina Kirchner, o impasse voltou a ter destaque e as tensões com Londres aumentaram. Autoridades de Londres sempre defenderam que os kelpers, como são chamados os habitantes das ilhas, devem escolher sua nacionalidade.

Em referendo realizado em 2013, a maioria da população local escolheu continuar sob domínio britânico. O pleito, no entanto, foi considerado ilegal pela Argentina e não teve reconhecimento das Nações Unidas (ONU).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos