Relação entre Vaticano e China está melhorando, diz cardeal

CIDADE DO VATICANO, 27 AGO (ANSA) - O secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, afirmou neste sábado (27) que as relações entre a Igreja Católica e o governo chinês estão melhorando e que um "novo ciclo" nas conversas está começando.   

"Há muitas esperanças e expectativas sobre os novos desenvolvimentos e há um novo ciclo na relação entre a Sede Apostólica e a China, que trará benefícios não só para os católicos na terra de Confúcio, mas para todo o país, que tem uma das maiores civilizações do planeta", disse Parolin em uma conferência em Pordenone, na Itália.   

Segundo o religioso, essa nova fase "dará benefícios a uma ordenada, pacífica e frutífera convivência entre os povos e as nações em um mundo como o nosso, dilacerado por tantas tensões e tantos conflitos". Lembrando que as tentativas de aproximação ocorrem desde a década de 1920, Parolin destacou que um acordo para reestruturar as relações seria como um símbolo "em favor da paz mundial".   

O secretário de Estado ainda destacou a forte atuação dos papas Francisco, Bento XVI e João Paulo II para a retomada das relações. De acordo com Parolin, Jorge Mario Bergoglio "assim como seus antecessores conhecem a bagagem de sofrimento, incompreensões, além do silencioso martírio que a comunidade católica na China carrega em suas costas. É o peso da história".   

Ainda falando de Francisco, o cardeal destacou que o atual Pontífice "conhece e encoraja, especialmente neste ano de Jubileu da Misericórdia, o perdão recíproco, a reconciliação entre irmãos e irmã que vivem a divisão, o esforço de crescer na compreensão, na colaboração e no amor".   

Citando que um acordo entre o Vaticano e a China seria "escrever uma página inédita na história", o religioso disse que a liberação de culto dos católicos não quer "renegar ou diminuir tudo aquilo que produziu e continua a produzir de verdadeiro, nobre, justo, puro, amável, honrado a história e a cultura chinesa".   

Conforme Parolin, "está sendo realisticamente aceito que não faltam problemas para resolver entre a Santa Sé e a China", mas diz que eles podem gerar frutos "mesmo com sua complexidade, posição e orientação diversas".   

"A coisa mais importante é que estamos construindo a estrada. Os contatos foram retomados e se está caminhando. Acredito que com a boa vontade de ambas as partes, conseguiremos atingir um acordo verdadeiro e que seja satisfatórios para todos", ressaltou ainda.   

Há décadas, existem fortes diferenças entre o governo chinês e o vaticano. Isso porque Pequim mantém a Igreja Católica em uma "quase clandestinidade tolerada", enquanto promove outro igreja "patriótica" cujos bispos são nomeados por membros do governo central.   

Além disso, a Santa Sé mantém laços diplomáticos com Taiwan e a China exige o rompimento dessa relação antes de assinar um acordo formal com os católicos. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos