OEA descarta suspensão da Venezuela e Maduro celebra vitória

CARACAS, 28 MAR (ANSA) - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, comemorou a "grande vitória" que seu governo obteve na reunião extraordinária da Organização dos Estados Americanos (OEA) sobre a situação econômica, política e social no país sul-americano desta terça-feira (28). Segundo o mandatário, o fato de que a maioria das nações presentes no encontro não votaram a favor da suspensão da Venezuela do grupo e de que a Carta Democrática Interamericana não foi aprovada pela grande parte dos Estados-mebros é algo extremamente positivo. "Nós obtivemos uma grande vitória, nem foi aprovada a Carta Democrática e nem se aprovou o comunicado infame da coalizão de países de governos de direita. Vitória popular para a Venezuela", celebrou Maduro. O presidente venezuelano também disse que brindou "com alegria" pela sua pátria e que o país conseguiu derrotar "o Departamento de Estado dos Estrados Unidos e a Chancelaria mexicana". Na reunião desta terça, cerca de nações no bloco latino reconheceram que a Venezuela enfrenta uma "difícil situação" e votaram a favor de apoiar a democracia, o diálogo e a busca de respostas diplomáticas para a crise econômica e política que o país está lidando antes de tomar medidas mais drásticas, como suspender a Venezuela do grupo. "Recordando nosso contínuo apoio ao diálogo e à negociação, reiteramos nossa preocupação com a difícil situação política, econômica, social e humanitária que se vive na Venezuela", afirmou nota conjunta que foi lida no fim da assembleia pela representante do Canadá, Jennifer May. Antes da decisão dos países do grupo, o secretário-geral da entidade, Luis Almagro, desafeto de Maduro, havia proposto que os presos políticos da Venezuela fosses libertados e que o país passasse por novas eleições Presidenciais para que ele não fosse suspenso. A sessão extraordinária foi convocada após um pedido formal apresentado por Argentina, Bahamas, Barbados, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, EUA, Guatemala, Honduras, Jamaica, México, Panamá, Paraguai, Santa Lúcia e Uruguai. A solicitação ocorreu após Almagro apresentar um documento informando sobre a situação política da Venezuela, especialmente na questão dos "presos políticos". De acordo com o secretário-geral da OEA, Caracas viola "todos os artigos" da Carta Democrática Interamericana.   

No entanto, para que uma possível suspensão da Venezuela ocorra, é preciso que uma votação sobre o tema tenha dois terços dos votos dos 34 países-membros da OEA. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos