Em Brasília, Mercosul celebra 'avanços' em negociação com UE

SÃO PAULO, 21 DEZ (ANSA) - Em reunião nesta quinta-feira (21) em Brasília, o Mercosul encerrou seu ano sem a aguardada assinatura do tratado de livre comércio com a União Europeia, mas celebrou os "avanços" em negociações com blocos econômicos mundo afora.   

A 51ª cúpula dos chefes de Estado do Mercado Comum do Sul também marcou a transferência da presidência pro tempore do grupo do Brasil para o Paraguai, que deve sacramentar o acordo com a UE.   

Em comunicado conjunto, os Estados-membros do Mercosul "congratularam-se pelo adensamento da agenda de negociações extrarregionais" e "destacaram o progresso alcançado nas negociações do Acordo de Associação Birregional Mercosul-União Europeia ao longo de 2017". O documento ainda fala em concluir, "no mais breve prazo possível", um tratado "ambicioso, abrangente e equilibrado".   

Após a cúpula, o presidente Michel Temer disse que está "tudo preparado" para que o pacto definitivo saia sob o comando do Paraguai no bloco. O comunicado conjunto também celebra os avanços nas negociações com a Associação Europeia de Livre Comércio (Efta), formada por Islândia, Liechtenstein, Noruega e Suíça, e com a Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean).   

O Mercosul também negocia tratados bilaterais com a Índia, o Marrocos e a Tunísia e pretende abrir tratativas com Canadá e Coreia do Sul - as conversas para acordos comerciais avançaram durante a presidência brasileira e em meio à suspensão da Venezuela, que sequer é mencionada no comunicado conjunto.   

A reunião desta quinta teve as presenças dos presidentes da Argentina (Mauricio Macri), do Brasil (Michel Temer), do Paraguai (Horacio Cartes) e do Uruguai (Tabaré Vázquez), além dos mandatários da Bolívia (Evo Morales) e da Guiana (David Arthur Granger), nações que não fazem parte do bloco.   

Venezuela - Embora não cite a Venezuela nominalmente, o comunicado conjunto diz, logo em sua abertura, que a "plena vigência das instituições democráticas e a observância dos direitos humanos e liberdades fundamentais são condições essenciais para o processo de integração regional".   

O texto é um recado direto a Caracas, suspensa do bloco por causa da Assembleia Constituinte convocada pelo presidente Nicolás Maduro, uma tática para esvaziar o poder da Assembleia Nacional, dominada pela oposição.   

Na reunião de cúpula desta sexta, o Mercosul também aprovou acordos sobre contratações públicas, permitindo que empresas de um Estado-membro tenham tratamento de companhia nacional em licitações em outro país do bloco. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos