Cardeal critica Papa por defender bispo em caso de pedofilia

SÃO PAULO, 21 JAN (ANSA) - Em uma crítica direta ao papa Francisco, o cardeal norte-americano Sean O'Malley, presidente da comissão criada pelo Pontífice para combater a pedofilia na Igreja Católica, afirmou que a defesa pública de um bispo acusado de acobertar casos de abuso pode desencorajar futuras denúncias.   

Já cotado até para ser Papa, O'Malley, 73 anos, é um dos membros mais importantes do clero, arcebispo de Boston e integrante da comissão de nove cardeais que trabalha na reforma da Cúria Romana. Ele é presidente da Pontifícia Comissão para a Proteção dos Menores, órgão instituído por Francisco para combater a pedofilia e desertado por dois integrantes que foram vítimas de abuso - o mandato do comitê expirou no fim de 2017, e ainda não se sabe se ele será renovado.   

Na última quinta-feira (18), em visita ao Chile, o líder católico fez uma defesa pública do bispo de Osorno, Juan Barros, acusado de ter acobertado casos de pedofilia envolvendo o padre Fernando Karadima. Durante a passagem do Pontífice pelo país, fiéis da diocese exigiram a remoção de Barros.   

"Quando me apresentarem provas contra o bispo Barros, aí veremos. Não há uma única evidência contra ele. Isso é calúnia, está claro?", disse o Papa na ocasião. A declaração irritou as vítimas de Karadima, mas também provocou incômodo no ambiente da Igreja.   

Por meio de uma nota oficial, o cardeal O'Malley afirmou que é "compreensível" que as palavras do Papa tenham sido fonte de "grande desprazer" para as vítimas de abusos sexuais por parte do clero. E mais: arriscam desencorajar novas denúncias de pedofilia.   

"Palavras que passam a mensagem 'se você não pode provar suas denúncias, então não terá credibilidade' abandonam aqueles que sofreram violações repreensíveis de sua dignidade humana e relegam os sobreviventes a um exílio desacreditado", disse.   

O'Malley, no entanto, fez a ressalva de que não pode explicar as palavras escolhidas por Jorge Bergoglio. "Mas o que sei é que o papa Francisco reconhece plenamente os enormes fracassos da Igreja e do clero que abusaram de crianças e o impacto devastador que esses crimes tiveram sobre as vítimas", contemporizou o arcebispo de Boston.   

No entanto, ele fez um alerta: "Não podemos nunca subestimar o sofrimento que [as vítimas] enfrentaram ou curar totalmente sua dor". A postura progressista de Francisco em muitos temas já abriu disputas com alas conservadoras dentro da Cúria, principalmente por seu desejo de abertura a divorciados nos sacramentos católicos, mas é a primeira vez que ele ouve uma contestação tão direta de um aliado.   

O "caso Karadima" abalou a imagem da Igreja Católica no Chile, e muitas vítimas acusam Barros de ter acobertado e até testemunhado os abusos. "Como se eu pudesse ter feito uma selfie enquanto Karadima abusava de mim com Barros em pé ao lado dele, vendo tudo", ironizou Juan Carlos Cruz, uma das vítimas do padre chileno. O bispo de Osorno nega as acusações. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos