PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Cesare Battisti será transferido para prisão na Calábria

Imagem divulgada pela polícia italiana mostra um documento de identidade de Cesare Battisti - Divulgação / Polizia di Stato / AFP
Imagem divulgada pela polícia italiana mostra um documento de identidade de Cesare Battisti Imagem: Divulgação / Polizia di Stato / AFP

Da ANSA, em Roma (Itália)

12/09/2020 12h27

O ex-terrorista italiano Cesare Battisti, condenado à prisão perpétua na Itália por quatro homicídios, será transferido em breve da prisão de Oristano, na Sardenha, para o centro de detenção de Rossano, na Calábria.

A decisão foi tomada após o Departamento de Administração Penitenciária (Dap) rejeitar, com o consentimento da Direção Nacional Antimáfia e Antiterrorismo, o pedido do italiano para obter um regime prisional mais moderado.

Battisti iniciou uma greve de fome na cadeira para protestar contra o regime de isolamento diurno ao qual está submetido desde o início de 2019.

Segundo as autoridades, a transferência para a prisão de Rossano será realizada assim que houver vaga disponível no local. Lá, Battisti precisará cumprir 15 dias em isolamento médico em decorrência da pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2).

Com isso, Battisti poderá agora ter acesso a um regime de segurança 2, o qual é destinado a prisioneiros condenados por fatos relacionados ao terrorismo.

"Sou advogado e já escrevi várias petições formais ao Dap e ao Ministério competente e fico sabendo que os meios de comunicação têm o privilégio de uma resposta que nunca recebi em todos estes meses, impossibilitando assim qualquer recurso", afirmou o advogado Davide Steccanella.

A defesa do ex-terrorista ressalta que a prisão calabresa é "inacessível a familiares e defensores como é do conhecimento do Ministério".

Battisti era membro do grupo terrorista Proletários Armados pelo Comunismo (PAC) e foi condenado por quatro assassinatos na década de 1970. Ele está cumprindo a pena de prisão de perpétua, após passar 40 anos foragido e alegando inocência.

Em março de 2019, ele confessou ter sido o autor de dois homicídios e ter participado de outros dois.

Internacional