PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

EUA têm 3.157 mortes por covid em 24h, recorde desde início da pandemia

Homem usa máscara com as cores da bandeira dos Estados Unidos - Alexi Rosenfeld/Getty Images
Homem usa máscara com as cores da bandeira dos Estados Unidos Imagem: Alexi Rosenfeld/Getty Images

03/12/2020 08h37

WASHINGTON, 3 DEZ (ANSA) - Os Estados Unidos contabilizaram 3.157 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, no maior registro diário desde o início da pandemia em março desse ano, informou hoje a Universidade Johns Hopkins.

O número supera e muito o recorde anterior, que havia sido detectado em 15 de abril, quando 2.603 pessoas faleceram ainda no primeiro ápice da crise sanitária provocada pelo coronavírus Sars-CoV-2.

Com os dados desta quinta, o país chegou as 273.799 vítimas da doença, maior quantidade do mundo.

Além do número enorme de falecimentos, os EUA também voltaram a passar da marca dos 200 mil contaminados pelo vírus em apenas um dia: foram 200.070 novos casos, o segundo maior dado da pandemia. Desde março, são 13.911.728 pessoas que contraíram o novo coronavírus.

Outro ponto que preocupa as autoridades de saúde norte-americanas é a quantidade de internações, que vem batendo recordes diários desde a metade de novembro.

Segundo o "The Covid Tracking Project", são 100.226 pessoas internadas nos hospitais de todo o país, em dado que pela primeira vez ultrapassou 100 mil. Nem durante o primeiro ápice da crise sanitária, entre março e maio, tantos pacientes estavam hospitalizados.

Em uma nota enviada ao governo de Donald Trump, a Associação Americana de Ambulâncias, uma das principais entidades que atua nos serviços de emergência, o chamado 911, informou que o sistema "está à beira do colapso" e que "sem um alívio adicional, ele parece que vai quebrar".

Na carta, obtida pela emissora "CNN", o presidente da entidade, Aarron Reinert, afirma ainda que tanto os serviços privados como públicos de ambulância nos 50 estados precisam de ajuda financeira para "conseguir continuar prestando os serviços que oferecem desde que a pandemia começou".

Coronavírus