Visita histórica: O que Barack Obama quer em Cuba?

Após quase 90 anos e décadas de uma relação conflituosa, pela primeira vez um presidente americano faz uma visita oficial a Cuba. Barack Obama chegou à ilha na tarde deste domingo para marcar mais um avanço no seu plano de reaproximação com o país.

O último presidente dos Estados Unidos que viajou oficialmente para Cuba foi Calvin Coolidge, em um navio de guerra, há 88 anos.

De lá para cá, uma revolução aconteceu na ilha, e o alinhamento dela com a União Soviética no bloco socialista durante a Guerra Fria fez com que as relações com os Estados Unidos fossem completamente cortadas. Desde então, de 1961 até hoje, um embargo econômico - dentre tantas outras restrições impostas pelos americanos - deixou os dois países em lados opostos.

  • Leia também: Os 5 próximos capítulos da crise política

Elio García, um senhor de 70 anos, lembra da Revolução Cubana em 1961 como se fosse hoje. "Eles não se conformam com o fato de nós termos feito uma revolução socialista embaixo de seus narizes", disse Fidel Castro, em um discurso que marcou o início do socialismo em Cuba. Para Elio e sua família, algumas coisas não mudaram desde aquele discurso.

Ele segue vivendo no mesmo apartamento e fazendo o mesmo trabalho. Desde o embargo imposto pelos americanos - que começou com o presidente John F. Kennedy, em 1962 -, a vida de Elio seguiu a mesma.

Mas com a visita de Obama e a reaproximação com os Estados Unidos, as coisas devem mudar um pouco.

A ideia do presidente americano é levantar o embargo econômico de vez e reestabelecer as relações comerciais e turísticas com Cuba. Aos poucos, ele tenta avançar nesse sentido - e a visita à ilha é um passo crucial para isso.

Mas afinal, o que Obama quer em Cuba?

Reaproximação

Em 2008, o homem que havia até então regido a vida dos cubanos, Fidel Castro, passou o poder a ser irmão mais novo, Raúl Castro, para cuidar de um problema de saúde.

Quase que imediatamente, Raúl começou a diminuir algumas das restrições estabelecidas pelo Estado no setor econômico.

Desde então, surgiram algumas empresas pequenas privadas no país, especialmente no setor do turismo, e milhares de trabalhadores começaram a trabalhar por conta própria.

Foi nesse novo contexto que foi tomada a decisão de reestabelecer as relações diplomáticas com os Estados Unidos.

O plano de reaproximação foi anunciado por Obama no fim de 2014, mas não é algo que tem pleno apoio entre os políticos do país.

O candidato a concorrer à Presidência pelo Partido Republicano, Ted Cruz, por exemplo, já se comprometeu a reverter a abertura do governo de Obama a Cuba e voltar com as políticas do passado, caso chegue à Casa Branca. O senador Marco Rubio pensa da mesma maneira.

Em Miami, centro do exílio cubano, uma marcha foi convocada para este domingo em protesto pela visita do presidente americano à Havana.

Para Obama, que tem apenas mais um ano na Presidência, a visita é simbólica e necessária para garantir a continuidade do processo depois de sua saída. A reaproximação ficará como legado dele ao país - e ele tem a intenção de consolidar isso antes de deixar a Casa Branca para não correr riscos de o próximo presidente interromper o projeto.

  • Leia também: O misterioso retorno da escarlatina, doença antiga que tem desafiado médicos modernos

A contagem regressiva para Obama deixar o governo já começou e ainda há muito em jogo. O que o presidente quer agora é acelerar o processo de reaproximação com a ilha. "O tema de Cuba não era tratado como prioridade do governo. Mas agora, faltando menos de um ano para Obama sair, a viagem presidencial é simbólica para que Cuba volte a ser prioridade", analisou Arturo López Levy, professor de Política na Universidade do Texas, nos Estados Unidos.

Acelerar o processo

Desde que anunciou a reaproximação, Obama já tomou algumas medidas para retomar as relações com Cuba. Uma delas foi a reabertura da embaixada americana na ilha e a outra foi a retirada de restrições para viagens de cidadãos americanos à Cuba.

No ano passado, houve um aumento de 54% de turistas viajando dos Estados Unidos para a ilha.

Obama já flexibilizou o embargo econômico e comercial à ilha - mas ele só pode acabar completamente se a medida for aprovada no Congresso, que é o maior obstáculo do presidente no plano de reaproximação.

Na visita histórica que começa neste domingo, alguns congressistas dos dois partidos foram acompanhar o presidente em Cuba, mas ainda é pouco provável que o fim do embargo aconteça antes de Obama deixar a Casa Branca - o que ele está tentando fazer, porém, é pelo menos acelerar o processo.

"Queremos que seja irreversível, que as relações fiquem cada vez mais fortes até que sejam inevitáveis", disse na quinta-feira Ben Rhodes, conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca e um dos principais articuladores da reaproximação.

Rhodes pontuou que não fará sentido fechar a embaixada na ilha - que foi reaberta em julho do ano passado, ou voltar a impedir que os americanos viahem a Cuba ou mesmo pedir aos empresários que esquecessem os projetos em que estão trabalhando relacionados ao país.

"Não dá mais para se voltar atrás para o dia 16 de dezembro de 2014. O plano é irreversível", disse Frank Mora, ex-membro do governo Obama e professor da Universidade Internacional da Flórida.

Ele acredita que Cruz ou Rubio, se eleitos, poderiam até retardar o processo, mas não freá-lo.

Nesta semana, foi anunciado que uma empresa americana, depois de meio século, terá instalações em Cuba e voltará a operar voos comerciais entre os dois países no fim deste ano.

"A visita de Obama a Cuba deve impulsionar essas mudanças. É um incentivo para que o processo de reaproximação evolua", afirmou López Levy.

Transição

Segundo Rhodes, não é esperado um encontro entre Obama e Fidel Castro, o ex-presidente e líder da Revolução Cubana - símbolo da separação ideológica entre os dois países.

No entanto, haverá uma reunião com "membros que se opõem ao governo e são críticos", disse. O fato de poder falar com dissidentes havia sido uma das condições impostas por Obama para viajar. O presidente também discursará ao povo cubano em algum momento da visita de dois dias.

  • Leia também: Jornal britânico vê risco de intervenção militar e sugere renúncia ou novas eleições

"Será o primeiro presidente afroamericano que falará a uma população que tem muitos descendentes de africanos. Isso não pode ser subestimado", aponta o professor Frank Mora.

Para a Casa Branca, desde o anúncio oficial da visita no início deste ano, a viagem seria uma forma de "avançar nos laços comerciais e pessoais que possam melhorar o bem-estar do povo cubano". Além disso, a visita teria como objetivo "expressar o apoio americano aos direitos humanos".

A viagem acontece a poucas semanas do congresso do Partido Comunista em Cuba, que será em abril e pode decidir quem será o sucessor do governo em 2018 - o primeiro presidente de Cuba desde 1959 que não terá o sobrenome Castro.

"Obama está consciente de que há uma transição de governos por vir e fazer essa viagem antes do congresso transmite uma ideia de que os Estados Unidos estão abertos para dialogar com as novas vozes da política cubana", disse López Levy.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos