A pintura bíblica do ex-presidente uruguaio José Mujica e sua mulher que foi retirada após 'ordem de cima'

  • Reprodução

Uma pintura inspirada no ex-presidente uruguaio José "Pepe" Mujica e em sua mulher, a senadora Lucía Topolansky, virou caso de polícia no Uruguai.

A galeria de arte Diana Saravia, em Montevidéu, expunha desde a semana passada um quadro intitulado "Gênesis Uruguay", do artista local Julio de Sosa, em que um homem e uma mulher apareciam seminus em uma recriação do paraíso bíblico.

A figura de Adão é inspirada em Mujica, e Eva tem o rosto de Topolansky.

A obra ficou em exposição até terça-feira desta semana, quando a polícia apareceu na galeria para pedir que a dona, Diana Saravia, comparecesse a uma delegacia.

"A polícia nos notificou e pediu a gentileza de retirarmos a obra para que não fosse exibida ao público. O delegado disse que tinha que cumprir seu trabalho e que a ordem era de cima", disse Saravia.

Oficialmente, o quadro de 90 cm de altura e 70 cm de largura foi retirado em razão de "queixas" contra a obra, versão que a dona da galeria questiona.

"Respeito a autoridade da polícia e quando os dois policiais entraram aqui e me disseram que tinham ordens do delegado para tirar o quadro da parede, eu obedeci", afirmou a galerista à BBC Brasil.

Ela se disse surpresa pela ação policial e reconheceu que a obra foi inspirada no casal de políticos.

Mujica e Topolansky são conhecidos pela forma austera com que vivem em uma chácara com a cachorra Manuela - que tem três patas e também aparece na pintura - nas redondezas de Montevidéu.

O episódio é destaque em jornais uruguaios nesta sexta-feira e motivou um debate sobre liberdade de expressão e limites da ação policial, segundo informam os jornais El País e El Observador, de Montevidéu.

Questionada se considerava o fato uma censura, como sugeriram opiniões veiculadas na imprensa, a galerista preferiu não entrar em polêmica.

"Não posso dizer isso. O que posso garantir é que o artista quis fazer uma homenagem ao casal, que ele os admira e jamais pensou em agredi-los. Pelo contrário."

Na delegacia, Saravia foi informada que a obra não poderá ser exibida, a menos que a galeria receba uma autorização policial.

Mujica e a mulher criticaram a obra e sugeriram que tenha havido exploração indevida de imagem.

"Podem ganhar uns pesos (com a arte), mas as coisas têm um limite", disse o ex-presidente e atual senador ao noticiário Telenoche.

Mujica já havia dito em outras ocasiões que repudiava o uso de sua imagem em "situações que pudessem desvirtuar sua forma de vida".

A senadora disse a jornais locais que o quadro representa um "exibicionismo sem autorização".

"Agora te pegam para piada. Colocam-na na vitrine de uma galeria e as pessoas não sabem se você posou para aquilo, se autorizou ou não", afirmou ao jornal La Diaria.

"Por que não pintaram o ex-presidente (Luis Alberto) Lacalle com a esposa dele?", questionou a senadora, que disse estar em contato com um advogado para orientações sobre o caso.

A polêmica em torno do quadro se tornou assunto da semana no Uruguai.

Nesta sexta-feira, o El País publicou em manchete que Mujica e Topolansky "apoiam censura da polícia contra o quadro". Uma das noticias mais lidas no site do jornal El Observador era "A verdade exposta: polêmica pela pintura de Mujica e Topolansky".

A polêmica também foi comentada nas redes sociais. "Com este debate, o valor do quadro não para de subir", disse um usuário do Twitter.

O quadro tinha preço inicial de US$ 400 - agora, segundo a dona da galeria, há interessados dispostos a pagar até US$ 5 mil (R$ 15,8 mil).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos