Por que 2017 pode consolidar a guinada à direita na América Latina

  • Carlos Barria - 3.dez.2016/Reuters

    Dilma, Lula, Raúl Castro e Maduro no funeral do líder cubano Fidel Castro

    Dilma, Lula, Raúl Castro e Maduro no funeral do líder cubano Fidel Castro

O presidente do Equador, Rafael Correa, foi direto ao falar sobre os problemas que a esquerda enfrenta na América Latina.

"São momentos difíceis", admitiu ele.

Correa se referia à morte do líder cubano Fidel Castro e às não tão recentes mortes do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, e do ex-presidente argentino Néstor Kirchner.

O mandatário equatoriano também falou de "revezes eleitorais" em alguns países da região, onde a esquerda - que predominava na década passada - teve que abrir espaço para governos mais conservadores.

No último um ano e meio de eleições em vários países, chegaram ao poder o empresário Mauricio Macri, na Argentina, o ex-banqueiro Pedro Pablo Kuczynski, no Peru, e, no Brasil, Michel Temer assumiu o cargo depois do impeachment de Dilma Rousseff.

E 2017 pode ser o ano que vai definir até que ponto vai chegar a guinada da América Latina à direita.

"Sim, vamos da esquerda para o outro lado. O ponto é onde vamos parar. E isso nós não sabemos", disse à BBC Mundo, serviço em espanhol da BBC, Marta Lagos, diretora do Latinobarómetro, uma empresa de pesquisas de opinião voltadas para a região.

Mais eleições

Este ano será de corridas presidenciais no Equador, Chile e Honduras. A Argentina deve ter eleições legislativas e o México, para governadores estaduais.

A disputa no Equador, marcada para fevereiro, será marcada pela ausência da candidatura do esquerdista Correa, que ocupa o cargo há uma década.

Seu herdeiro político é o ex-vice-presidente Lenín Moreno, que lidera das pesquisas para o primeiro turno, mas poderia enfrentar problemas em um eventual segundo turno se a oposição se unir.

Correa está confiante em uma vitória de seu partido, mas admite que há possibilidade de derrota.

"Se chegarmos a perder, os processos continuam", afirmou o presidente equatoriano em uma entrevista em dezembro, a mesma na qual ele falou das dificuldades que a esquerda enfrenta na América Latina hoje.

Mas embora tenha falado em momentos difíceis, ele negou que sejam "terríveis".

No Chile, o ex-presidente Sebastián Piñera está na frente das pesquisas para as eleições, cujo primeiro turno deve ocorrer em novembro.

O empresário de direita está vários pontos à frente do ex-presidente Ricardo Lagos, que faz parte da mesma coalizão de centro-esquerda da presidente Michelle Bachelet.

Mas as pesquisas recentes sugerem que Piñera poderia ser derrotado no segundo turno pelo senador independente Alejandro Guillier, mais próximo do Partido Radical, social-democrata.

Em Honduras, por sua vez, quem aparece como favorito nas eleições de novembro é o atual presidente Juan Orlando Hernández, que tenta a reeleição pelo Partido Nacional, que é conservador.

A candidatura de Hernández foi aceita em dezembro pelo Supremo Tribunal Eleitoral do país, apesar de a oposição considerá-la ilegal, lembrando que o ex-presidente Manuel Zelaya tentou a reeleição em 2009 e foi deposto em um golpe de Estado que enfureceu a esquerda regional.

Efeito pêndulo?

Os analistas descartam ser uma mera coincidência que esses políticos distantes da esquerda apareçam hoje como favoritos em seus países.

Pelo quarto ano consecutivo, o Latinobarómetro registrou em 2016 um aumento no número de latino-americanos que se colocam à direita no espectro político.

O relatório indicou que 28% dos cidadãos da região se declaram de direita, nove pontos a mais do que os 19% registrados em 2011.

Segundo a pesquisa, 20% dos latino-americanos se declaram de esquerda, enquanto outros 36% se colocam no centro do espectro político.

Os especialistas acreditam que há várias explicações para o fenômeno: o fim do boom de preços de matérias-primas, o que causou muitos problemas econômicos em vários governos de esquerda, uma demanda maior por ordem e "pulso firme" contra o crime e até o avanço das religiões evangélicas, com posturas mais conservadoras em temas como o aborto ou o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Além disso, nomes da esquerda latino-americana da década passada, como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ou a ex-presidente da Argentina Cristina Fernández de Kirchner, agora enfrentam acusações de corrupção na Justiça.

Soma-se a isso a grave crise econômica e política que a Venezuela enfrenta, que provocou pedidos de um referendo para tirar da presidência do país o herdeiro político de Chávez, Nicolás Maduro, e contribuiu para a retração econômica de Cuba no ano passado.

"Sem dúvida, tudo o que aconteceu deu uma vantagem à direita", avaliou a diretora do Latinobarómetro, Marta Lagos.

Busca por soluções

Ela e outros analistas acreditam que os latino-americanos estão buscando mais do que uma ideologia específica.

Eles querem soluções práticas para seus problemas, o que poderia aumentar a alternância no poder, o que inclui também vitórias de candidaturas alternativas e populistas.

Dessa forma, a vitória das correntes mais conservadoras nas eleições de 2017 confirmaria a virada da região para a direita, marcando uma tendência clara antes das eleições presidenciais de 2018 no Brasil, México, Colômbia, Venezuela e Paraguai.

Por outro lado, uma falta de avanços concretos por parte de governos pró-mercado como os do Brasil, Argentina, Peru e outros países poderia aumentar a tensão social e fazer com que as tendências mudem novamente de direção na América Latina.

Muitos também se perguntam qual será o efeito político na região da chegada de Donald Trump à Presidência dos Estados Unidos.

Durante sua campanha Trump, atacou o México diversas vezes, inclusive a prometendo a construção de um muro entre os dois países, e assegurou que será mais severo com os governos da Venezuela e Cuba.

Mas os analistas duvidam que o embate entre direita e esquerda na América Latina volte ao patamar de 20 anos atrás.

Entre outros motivos, está o fato de os conservadores de hoje se mostrarem dispostos a manter programas sociais de sucesso criados na década passada.

"Em 2017, vai continuar existindo um desgaste dos partidos de esquerda da região, mas não vejo como se fosse uma repetição dos anos 1990, em que havia governos que implementavam políticas consideradas neoliberais", afirmou à BBC Mundo João Augusto de Castro Neves, analista para América Latina da consultoria Eurasia, com sede em Washington.

"E se os partidos mais à direita não resolverem muitos dos problemas sociais e econômicos que assolam a América Latina, o pêndulo pode voltar para a esquerda muito rapidamente", acrescentou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos