Topo

Por que a América Latina é a região mais violenta do mundo

Civis armados contra o crime organizado são uma resposta na América Latina diante da falta de soluções do Estado - AFP
Civis armados contra o crime organizado são uma resposta na América Latina diante da falta de soluções do Estado Imagem: AFP

Gerardo Lissardy - BBC News Mundo

21/07/2019 14h41

A América Latina sangra com as piores taxas de homicídio do planeta, mas as explicações para níveis tão elevados de violência não estão relacionadas a investimentos escassos em segurança ou falta de políticas mais duras para combater a criminalidade.

Quatro pessoas morreram em Puebla, no México, num tiroteio do lado de fora de uma festa de formatura de um jardim de infância. Em Córdoba, na Colômbia, um líder local foi decapitado. E em Manaus, um tiroteio entre grupos rivais deixou três mortos e cinco feridos.

Tudo isso aconteceu na semana passada na América Latina, onde todos os dias novas vítimas fazem crescer os índices da violência, reforçando o título de região mais violenta do mundo.

O subcontinente tem as maiores taxas de homicídio do mundo, segundo um relatório divulgado na semana passada pelas Nações Unidas.

Do total de homicídios registrados em todo planeta, 37% foram contabilizados na América Latina, que concentra apenas 8% da população mundial.

Desde 2000, mais de 2,5 milhões de latino-americanos foram violentamente assassinados, conforme levantamento feito pelo Instituto Igarapé, organização sem fins lucrativos que faz análises e estudos nas áreas de segurança, justiça e desenvolvimento com sede no Brasil.

O número de vítimas se compara ao da população de Medellín (Colômbia), Guayaquil (Equador) ou de Belo Horizonte (MG).

As taxas de homicídio na América Latina podem ser descritas como uma epidemia, nas palavras de Angela Me, diretora de pesquisa e estatísticas do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC).

O fenômeno é geralmente atribuído a problemas econômicos, mas o crime aumentou durante o "boom" de commodities que a região experimentou na última década, quando as taxas de pobreza caíram.

Fala-se ainda com frequência em falta de investimentos em segurança. No entanto, o montante gasto com segurança em relação ao total de gastos públicos na América Latina é quase o dobro da média do mundo desenvolvido, segundo o Banco Interamericano de Desenvolvimento.

Outro argumento usado para justificar a escalada da violência é a suposta falta de uma "mão pesada" contra o crime. Mas a população carcerária nas Américas (excluindo os Estados Unidos) cresceu 121% desde 2000, segundo o World Prison Report.

Por que então a América Latina é tão violenta, mesmo gastando com segurança e prendendo mais?

Crime organizado, armas e impunidade

Por trás da onda de violência não há apenas um, mas vários fatores, explicam especialistas.

"Na América Latina, o crime organizado e as gangues são mais violentos", diz Me, do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. Ela acrescenta que esses grupos violentos podem influenciar de 25% a 70% de todos os homicídios na região.

Segundo estudo da ONU, o crime organizado é responsável por um número de mortes similar ao gerado por conflitos armados no resto do mundo.

Outras partes do mundo também têm crime organizado e gangues. Mas é na América Latina onde esses grupos provocam as maiores taxas de mortes ao disputarem um negócio lucrativo: o narcotráfico. A região é a única onde se produz cocaína.

Na luta por uma fatia desse mercado estão desde os cartéis da Colômbia e do México até gangues da América Central.

Vários governos latino-americanos têm promovido uma "guerra às drogas" com políticas repressivas que fizeram aumentar também a violência e a corrupção em suas próprias forças de segurança.

Soma-se a isso o fácil acesso a armas de fogo que, segundo a ONU, foram usadas em 3 de cada 4 homicídios cometidos nas Américas em 2017, número bem acima da média global.

"A ampla disponibilidade de armas de fogo nas Américas, juntamente com a proliferação de gangues e grupos do crime organizado, ajuda a explicar por que muitos países da região experimentam um nível mais alto de homicídios do que seria esperado em seu nível de criminalidade", diz relatório do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime.

Para piorar a situação, há uma impunidade generalizada na América Latina, o que reduz o custo de cometer um assassinato e incentiva a justiça com as próprias mãos.

"A diferença entre as altas taxas de homicídio e as baixas taxas de condenação em 2016 foi mais ampla nas Américas, onde houve apenas 24 condenações para cada 100 vítimas", indica o relatório.

Em algumas partes da América Latina, como Venezuela ou Brasil, a taxa de resolução de assassinatos é ainda menor.

Desigualdade e urbanização

A América Latina também é uma das regiões mais desiguais do mundo e isso pode agravar o problema de violência, segundo especialistas.

"Os países com maior desigualdade de renda são mais propensos a ter taxas mais altas de homicídio do que países com menos desigualdade", indica a ONU.

Robert Muggah, cofundador do Instituto Igarapé, assinala que os altos níveis de violência se associam aos elevados índices de desemprego de homens jovens latino-americanos - a taxa de homicídios envolvendo esse segmento da população na América Latina é muito superior ao registrado em outras partes do mundo.

A rápida urbanização também complicou as coisas na América Latina.

"Na América Latina, houve uma das transições mais notáveis de uma sociedade rural para uma urbana nos últimos 50 anos", disse Muggah. "Muitas das cidades maiores cresceram de forma descontrolada."

A falta de serviços providos pelo Estado, como educação e saúde, em muitas dessas áreas de crescimento acelerado resultou em áreas marginais e densamente povoadas, como as favelas no Brasil ou as "villas" na Argentina.

Gangues e o narcotráfico ganharam força em muitos desses territórios, às vezes totalmente controlados por traficantes.

Nas grandes cidades e também nas de porte médio, aproximadamente 4 em cada 5 assassinatos acontecem em apenas 2% das ruas, segundo os dados de Muggah.

"Ao contrário da crença popular", diz o especialista, "os homicídios tendem a ser altamente concentrados em áreas de desvantagem e marginalização socioeconômica".

O exemplo europeu

Tudo isso representa enormes desafios para a América Latina e afeta a democracia, diz Muggah, do Instituto Igarapé. Segundo ele, a violência crescente aumenta a fadiga dos cidadãos com os governantes e a busca por receitas "linha-dura" que pouco ou nada resolvem o problema.

Parte do desafio é obter dados e tecnologia que permitam reconhecer as "zonas vermelhas" da violência latino-americana e responder com políticas apropriadas.

Enquanto globalmente a taxa de homicídios é de 6,1 por 100 mil habitantes, na América Central chega a 25,9 e na América do Sul chega a 24,2, segundo a ONU.

O cofundador do Instituto Igarapé observa que a Europa medieval e moderna experimentaram níveis de homicídios comparáveis aos das Américas hoje. Mas o velho continente conseguiu reverter esse quadro e tem agora uma das menores taxas do mundo: uma média de 1 homicídio por 100 mil habitantes.

"Na Europa, você vê uma evolução, em particular das instituições, do estado de direito, do investimento na educação, uma justiça criminal na qual as pessoas confiam. E este é um processo que não ocorre tão fortemente em partes da América Latina" diz Me, do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. "Podemos aprender com o que funciona para reduzir a violência a níveis semelhantes."


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=Cx_e6fFK6gU

https://www.youtube.com/watch?v=9dvXrzXwlJI

https://www.youtube.com/watch?v=Cg-Vm6R5XNI

Mais Internacional