Topo

Áustria decide sobre polêmica do destino da casa onde nasceu Hitler

Intenção das autoridades austríacas ao definir o destino da propriedade é impedir que ele se torne ponto de peregrinação neonazista. - REUTERS
Intenção das autoridades austríacas ao definir o destino da propriedade é impedir que ele se torne ponto de peregrinação neonazista. Imagem: REUTERS

20/11/2019 07h50

Por enquanto, parece ter se encerrado a polêmica sobre qual destino dar à residência onde nasceu Adolf Hitler.

O edifício, que fica na Áustria, se tornará uma delegacia de polícia, segundo anunciou o governo austríaco nesta terça (19).

O ministro do Interior, Wolfgang Peschorn, disse que a nova utilidade dada ao imóvel é "um sinal inequívoco" de que ele não servirá para comemorar o nazismo.

Hitler passou as primeiras semanas de vida num apartamento desse edifício amarelo construído no século 17 na cidade de Braunau am Inn, na fronteira com a Alemanha.

Pouco depois, a família se mudou para outra propriedade não muito longe dali.

Disputa judicial

O destino do edifício foi decidido após uma longa disputa judicial.

Com a intenção de impedir o turismo de extrema direita e de neonazistas no local, o governo austríaco alugou a propriedade em 1972. A dona era Gerlinde Pommer.

Na frente da casa de Hitler, uma placa de pedra traz a seguinte inscrição: 'Pela paz, a liberdade e a democracia. Nunca mais fascismo. Milhões de mortos advertem'. - GETTY IMAGES
Na frente da casa de Hitler, uma placa de pedra traz a seguinte inscrição: 'Pela paz, a liberdade e a democracia. Nunca mais fascismo. Milhões de mortos advertem'.
Imagem: GETTY IMAGES

A família Pommer havia sido proprietária do prédio por várias gerações. Por um tempo, o edifício foi usado como centro para pessoas com deficiência até que, em 2011, Gerlinde Pommer se opôs aos planos do governo de reformar o prédio para que ele se tornasse acessível a pessoas com cadeiras de rodas.

Ela também recusou todas as ofertas subsequentes do governo para comprar e renovar a propriedade. Uma proposta de 2014 para transformar o edifício num abrigo para refugiados também acabou caindo por terra.

Até que, em 2016, o governo desapropriou a casa e propôs o pagamento de indenizatório de US$ 896 mil. O que se seguiu foi uma disputa judicial entre as autoridades e Pommer, que pedia uma compensação de US$ 1,7 milhão pelo imóvel.

No entanto, o Tribunal Supremo da Áustria rejeitou o pedido em junho e fixou a indenização em US$ 899 mil.

Impedir adoração nazista

O destino da antiga residência de Hitler gerou amplos debates e divergências na Áustria.

Alguns pediam a demolição do edifício, enquanto outros argumentavam que ele deveria ser usado para obras de caridade ou como um centro para reconciliação.

Atualmente, em frente ao prédio há uma placa de pedra com a seguinte inscrição: 'Pela paz, a liberdade e a democracia. Nunca mais fascismo. Milhões de mortos advertem'.

Agora, para converter o prédio numa delegacia de polícia, o governo austríaco abrirá um concurso de arquitetura em toda a União Europeia.

Outras propriedades que foram de Hitler foram destruídas ou convertidas para impedir que se tornassem atração turística ou local de peregrinação neonazista.

A casa de campo dele, nas montanhas da Baviera, foi danificada por bombas e saqueada por soldados no final da Segunda Guerra Mundial. Em 1952, o que restou dela foi demolido pelo governo da Baviera para impedir que se tornasse um centro de adoração.

Adolfo Hitler se suicidou em 1945 após constatar que a Alemanha havia perdido a Segunda Guerra Mundial - GETTY IMAGES
Adolfo Hitler se suicidou em 1945 após constatar que a Alemanha havia perdido a Segunda Guerra Mundial
Imagem: GETTY IMAGES

Genocídio

Hitler nasceu em 20 de abril de 1889 em Braunau am Inn, cidade para onde seu pai, um inspetor da alfândega, havia sido enviado para trabalhar.

A família deixou a cidade quando Hitler tinha 3 anos de idade. Ele regressou ao local em 1938, quando estava a caminho de Viena, pouco antes de anexar a Áustria à Alemanha nazista.

Sob o governo de Hitler (1933-1945), a Alemanha provocou a segunda Guerra Mundial — que matou dezenas de milhões de pessoas em vários países — e perseguiu e matou mais de seis milhões de judeus.

Internacional