PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

O migrante que se arriscou no Canal da Mancha em pedalinho: 'prefiro morte a ficar na França'

02/12/2021 18h15Atualizada em 02/12/2021 18h15

Todos os dias, dezenas ou centenas de imigrantes tentam atravessar o Canal da Mancha, que separa o norte da França da ilha da Grã-Bretanha.

O objetivo dessas pessoas é chegar ao Reino Unido em busca de uma melhor condição de vida.

Mas a travessia é considerada perigosa por suas tempestades, frequentes neblinas que reduzem a visibilidade e correntes fortes.

Muitos morrem durante a jornada.

São pessoas que deixaram seus países de origem, a maioria no Oriente Médio e na África, fugindo de perseguições, conflitos civis e guerras.

Muitos não veem outra opção a não ser tentar a sorte na Europa, onde acreditam que terão mais oportunidades.

Esse é o caso de Sultan. Ele e um grupo de jovens do Sudão foram alguns dos milhares de imigrantes que chegaram ao norte da França para tentar a travessia.

Os jornalistas Julien Goudichaud e Daisy Walsh, da BBC, o acompanharam durante um ano, entre tentativas fracassadas (e uma bem-sucedida) de chegar a território inglês.

Sultan entendia os riscos da jornada e sabia que poderia morrer.

Sua primeira tentativa de chegar à Inglaterra não deu certo. Ele e outros homens haviam roubado um pedalinho e se lançaram ao mar, que não estava em boas condições.

O grupo passou oito horas à deriva antes de ser avistado pela guarda costeira francesa, que tentou resgatá-los.

Mas eles recusaram.

"Depois de um tempo, o barco encheu de água de um lado e virou", lembra Sultan.

De volta ao território francês, sem seus companheiros e sem ter onde morar, o jovem permanecia determinado e cruzar o canal.

Ele chegou ao Reino Unido meses depois e agora aguarda decisão sobre seu pedido de refúgio em Manchester, na Inglaterra.

Na última semana, 27 imigrantes morreram afogados depois que um barco com destino ao Reino Unido virou no Canal da Mancha.

Foi a pior tragédia envolvendo imigrantes já registrada no canal, desde que dados desse tipo começaram a ser coletados, em 2014.

Entre os 27 mortos, havia pelo menos sete mulheres e três crianças.

Segundo o presidente da França, Emmanuel Macron, desde o início de 2021, 1.552 criminosos foram presos no norte da França e 44 redes de contrabandistas foram desmanteladas.

Apesar disso, 47 mil tentativas de travessia do Canal da Mancha da França para o Reino Unido ocorreram apenas neste ano e 7,8 mil imigrantes foram resgatados, acrescentou o presidente francês.

O Reino Unido se comprometeu a pagar à França 62,7 milhões de euros (R$ 400 milhões) durante 2021-22 para ajudar a aumentar o patrulhamento policial ao longo de sua costa, a vigilância aérea e a infraestrutura de segurança nos portos.

Internacional