PUBLICIDADE
Topo

Governo Bolsonaro

Com Bolsonaro, liberdade de imprensa se deteriora no Brasil, diz ONG

Reprodução
Imagem: Reprodução

21/04/2020 08h35

A chegada ao poder do presidente Jair Bolsonaro tensionou a relação do governo federal com a imprensa e contribuiu para o país caísse duas posições no Ranking 2020", afirma a ONG Repórteres sem Fronteiras (RSF), se referindo à sua classificação anual da liberdade de imprensa no mundo, cuja mais recente edição foi divulgada nesta terça-feira (21/04).

O Brasil ocupa agora o 107° lugar, entre 180 países listados, à frente do Mali e atrás de Angola (106°), Montenegro (105°) e Moçambique (104°). A primeira posição na lista é da Noruega, seguida por Finlândia, Dinamarca e Suécia, enquanto a Coreia do Norte está na última colocação, à frente do Turcomenistão.

O Brasil mantém a tendência de queda no Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa da RSF. No ano passado, o país já havia caído três posições em relação à edição anterior. A entidade alerta que essa queda deve continuar, "na medida em que o chefe do Executivo segue incentivando ataques a jornalistas e meios de comunicação".

A RSF afirma a eleição de Bolsonaro "marcou a abertura de um período especialmente sombrio para a democracia e a liberdade de imprensa" e que frisou que o presidente "promove sistematicamente um clima de ódio e de desconfiança em relação à imprensa" e que, em meio à pandemia, "o governo federal redobrou os ataques, questionando quase que diariamente a cobertura da crise sanitária".

A entidade também frisa que "o 'gabinete do ódio' que cerca o presidente brasileiro publica ataques em larga escala a jornalistas que fazem revelações sobre políticas do governo" e sublinha que "desde o início da epidemia de coronavírus, Jair Bolsonaro redobrou seus ataques à imprensa, que ele considera responsável por uma 'histeria' destinada a gerar pânico no país".

Outro ponto destacado pela ONG é a concentração da mídia brasileira, "sobretudo nas mãos de grandes famílias, com frequência, próximas da classe política". Além disso, segundo a RSF, "o sigilo das fontes é com frequência questionado e muitos jornalistas investigativos são alvo de processos judiciais abusivos" no Brasil.

"Regimes autoritários instrumentalizam pandemia"

A RSF também alerta que a pandemia de coronavírus está "ampliando" as ameaças à liberdade de imprensa em todo o mundo. A entidade sediada em Paris disse que alguns regimes autoritários se aproveitaram do surto para impor medidas extraordinárias. Também acusou a China e o Irã de censurar informações sobre o vírus.

"O surto de coronavírus revelou a lição mais importante dessa crise, a de que a censura na China não diz apenas respeito ao povo chinês. Também é uma ameaça para qualquer pessoa na Terra", disse o chefe da RSF no Leste Asiático, Cedric Alviani, ao correspondente da DW William Yang.

"Certamente existe uma relação estreita entre o regime e a censura, e o fato de eles terem tentado esconder todas as informações sobre a epidemia durante o primeiro mês é a melhor prova disso", concluiu.

Publicado anualmente desde 2002, o Ranking Mundial de Liberdade de Imprensa tem sua metodologia baseada no desempenho em termos de pluralismo, independência da mídia, ambiente e autocensura, arcabouço jurídico, transparência e qualidade das infraestruturas de apoio à produção de informações. Os índices são calculados a partir de um questionário preenchido por especialistas do mundo inteiro.

Governo Bolsonaro