Israel confisca 150 hectares da Cisjordânia, denuncia ONG

Em Jerusalém (Israel)

O Ministério da Defesa israelense aprovou o confisco de mais de 150 hectares de terreno perto de Jericó, no território ocupado da Cisjordânia, que declarará terrenos estatais, denunciou nesta quarta-feira (20) a ONG israelense Shalom Ahshav (Paz Agora).

De acordo com um comunicado emitido pela organização e que recolhe uma informação divulgada hoje pela rádio do Exército israelense Galei Tzahal, o ministro Moshe Yaalon aprovou a declaração de 154 hectares ao sul da cidade palestina de Jericó como terrenos do Estado.

Segundo a emissora militar, a declaração de terrenos estatais pelo Ministério da Defesa ocorrerá nas próximas semanas.

A ONG israelense ressalta que estes terrenos tinham sido tomados por colonos judeus há um ano com o propósito de transformá-los em áreas de cultivo agrícola.

O Escritório de Informação do ministro Yaalon rejeitou o pedido de comentários da Agência Efe.

A ONG Paz Agora indica que, se for aprovada, esta será a mais ampla declaração de parcelas palestinas como terrenos estatais desde agosto de 2014, quando 400 hectares no bloco de assentamentos de Gush Etzion, no sul da Cisjordânia, foram declarados terras do Estado, o que provocou uma onda de penas internacionais.

"O contínuo confisco pelo governo de [Benjamin] Netanyahu é uma catástrofe diplomática. A decisão do governo é outro passo no caminho da destruição da possibilidade de uma solução de dois Estados", afirma a ONG israelense.

O Departamento de Negociações da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) convocou os meios de comunicação hoje em Jericó para expressar sua condenação à decisão israelense.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos