Crise brasileira "compete exclusivamente" ao Brasil, diz chanceler paraguaio

Assunção, 26 abr (EFE).- O Paraguai observa o momento de instabilidade política no Brasil como algo "que compete exclusivamente ao povo e às instituições brasileiras" e com o respeito à "não intervenção nos assuntos internos" de outros países, disse nesta terça-feira o chanceler paraguaio, Eladio Loizaga.

"Eles têm uma democracia muito consolidada e nós não vamos opinar sobre isso", disse Loizaga na sede da Chancelaria, em Assunção, com relação à admissão do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff pela Câmara dos Deputados.

Loizaga, que na segunda-feira participou de uma reunião de chanceleres do Mercosul em Montevidéu, explicou que em nenhum momento nesse fórum foi mencionada alguma "proposta" com relação ao processo contra Dilma.

"Deixemos que cada país, conforme suas normas constitucionais e sua institucionalidade democrática, tome a decisão que tenha que tomar", concluiu Loizaga.

Em 2012, o Mercosul suspendeu ao Paraguai após a destituição do então presidente, Fernando Lugo, por meio de um julgamento parlamentar.

A destituição de Lugo foi considerada uma "alteração da ordem democrática" pelo Mercosul e pela Unasul. A suspensão do Paraguai terminou um ano e dois meses depois, quando o poder foi assumido pelo atual líder do país, Horacio Cartes.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos