Chefe de gabinete de Le Pen é indiciada no caso de empregos fictícios

Paris, 22 fev (EFE).- Catherine Griset, a secretária pessoal de Marine le Pen, foi indiciada por ocultação de abuso de confiança sobre seus trabalhos como assistente parlamentar da candidata ultradireitista no parlamento europeu.

A Justiça francesa não formulou acusações contra outro dos interrogados hoje sobre este caso, Thierry Légier, o guarda-costas da líder ultradireitista, de acordo com a imprensa local.

A Justiça abriu há dois anos uma investigação a pedido do parlamento europeu perante as suspeitas de que Griset e Légier, ambos contratados como assistentes parlamentares de Le Pen na instituição, não efetuavam realmente suas funções.

Os investigadores franceses realizaram diversas diligências, a última na segunda-feira nos escritórios do partido de Le Pen, a Frente Nacional (FN), em Nanterre, nos arredores de Paris.

O parlamento europeu pede à eurófoba Le Pen que devolva a totalidade das retribuições recebidas por seus assistentes parlamentares, quase 330.000 euros.

Um relatório do Escritório Antifraude da Eurocâmara estimou que nenhum dos dois trabalhou realmente para a eurodeputada.

Légier era, na realidade, seu guarda-costas e Griset trabalhava para o partido em sua sede de Nanterre.

A FN, por sua parte, nega as acusações e assegura que se trata de uma operação política contra Le Pen, que lidera as intenções de voto nas pesquisas para o primeiro turno das eleições presidenciais francesas, marcado para o próximo dia 23 de abril.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos