Peru retira seu embaixador na Venezuela de maneira definitiva

Lima, 30 mar (EFE).- O governo do Peru anunciou nesta quinta-feira a retirada definitiva de seu embaixador na Venezuela, após a decisão do Supremo Tribunal venezuelano de assumir as competências do Legislativo desse país.

"Frente à gravidade destes fatos, o governo do Peru decidiu retirar de maneira definitiva seu embaixador na República Bolivariana da Venezuela", informou o Ministério das Relações Exteriores peruano em comunicado.

Consultada pela Agência Efe, uma fonte do Ministério das Relações Exteriores evitou detalhar se a retirada do embaixador implica na ruptura total de relações diplomáticas bilaterais.

A nota oficial destacou, por sua parte, que a decisão do Tribunal Supremo venezuelano é uma "arbitrária medida que violenta o Estado de Direito e constitui uma ruptura da ordem constitucional e democrática na República Bolivariana da Venezuela".

"A separação, independência e respeito recíproco dos poderes públicos é um elemento essencial da democracia representativa, que todos os membros da Organização dos Estados Americanos estão obrigados a respeitar", acrescentou.

O Ministério das Relações Exteriores ressaltou que "iniciou consultas com países-membros da Organização dos Estados Americanos para que, no marco da Carta Democrática Interamericana, sejam adotadas com a maior urgência as medidas que correspondam perante a evidente ruptura da ordem constitucional e democrática na Venezuela".

"Dita ruptura é incompatível com as normas do sistema interamericano", concluiu.

Pouco antes, o presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, tinha considerado "inaceitável" a decisão do Supremo da Venezuela.

"A América Latina é democrática. É inaceitável o que ocorre na Venezuela", afirmou Kuczynski em mensagem publicada em sua conta no Twitter.

O Supremo da Venezuela decidiu ontem que assumirá as competências do parlamento devido à persistência do "desacato", um status que o Poder Judiciário impôs à câmara pelo descumprimento de várias sentenças.

Perante isto, a Assembleia Nacional da Venezuela, controlada pela oposição, acusou hoje o presidente Nicolás Maduro de ter dado um "golpe de Estado".

Peru e Venezuela mantinham uma relação tensa depois que a chanceler venezuelana, Delcy Rodríguez, qualificou Kuczynski como "covarde" e "cachorrinho simpático do império", o que levou o governo de Lima a chamar para consultas seu embaixador em Caracas, Mario López Chávarry.

As afirmações de Rodríguez foram realizadas depois que o governante peruano disse em uma conferência nos Estados Unidos que a América Latina é como "um cachorro adormecido no tapete" para Washington, porque não causa problemas, com exceção da Venezuela.

Por outro lado, Maduro ordenou nesta segunda-feira o envio ao Peru de 100.000 caixas com alimentos como ajuda humanitária para as áreas que foram duramente golpeadas por chuvas e inundações que deixaram 97 mortos e mais de 200.000 afetados, em uma decisão que foi elogiada por Kuczynski.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos