Ministro espanhol diz que Puigdemont dificulta formação do governo catalão

Bruxelas, 31 jan (EFE).- O ministro de Relações Exteriores e Cooperação da Espanha, Alfonso Dastis, afirmou nesta quarta-feira que a atitude do ex-presidente catalão Carles Puigdemont só serve para prorrogar uma "agonia" e dificultar a formação do governo na Catalunha.

Perguntado sobre as mensagens de telefone que Puigdemont enviou ontem à noite ao ex-conselheiro do Esquerda Republicana da Catalunha (ERC) Toni Comín, como revelou hoje a emissora "Telecinco", nas quais o ex-presidente catalão dava como encerradas suas chances de ser eleito presidente da Generalitat, Dastis apontou que refletem "a dificuldade de tentar buscar objetivos que não levam a lugar algum, seguindo métodos que não são democráticos".

Em uma palestra organizada pelo jornal "El País" em Bruxelas, o ministro espanhol acrescentou que a atitude de Puigdemont "só prorroga uma agonia e dificulta a formação de um governo na Catalunha que possa fazer frente aos problemas" da região.

Dastis acrescentou que "o que (Puigdemont) tem que fazer é se apresentar ao juiz e argumentar o que pensa, mas primeiro tem que cumprir com as suas obrigações com a Justiça".

O chefe da diplomacia espanhola lembrou que o governo central sempre pretendeu "um candidato à posse que esteja em condições, que não tenha pendências com a Justiça, que esteja em condições de governar a Catalunha em benefício de todos os catalães e fazendo frente aos problemas e inquietações dos catalães".

"Tenho a impressão que Puigdemont não está nesta circunstância", concluiu.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos