Cuba coopera com EUA para apagar incêndio em base naval em Guantánamo

Havana, 28 fev (EFE).- Cuba colaborou com os Estados Unidos na extinção de um incêndio que obrigou a evacuar parcialmente a base naval americana em Guantánamo, cujo território é reivindicado pelo governo cubano, que o considera ilegalmente ocupado.

O incidente aconteceu na semana passada e foi contornado com ajuda das Forças Armadas Revolucionárias (FAR) da ilha, que proporcionaram pessoal, veículos e "um helicóptero que despejou água" para controlar as chamas, revela nesta quarta-feira o jornal estatal "Granma".

A ação conjunta aconteceu apesar das "complicações logísticas e práticas" devido à "ocupação ilegal" desse território cubano, afirma o jornal.

A permanência do exército americano no enclave cubano é, junto ao embargo econômico, um dos principais empecilhos para a normalização das relações entre EUA e Cuba, que reivindicou repetidamente a devolução do território.

O país caribenho mantém uma patrulha de fronteira em vigilância constante para a base, considerada território americano e separada do resto da ilha por um campo minado.

Algumas das minas situadas nessa faixa explodiram devido ao incêndio, segundo veículos de imprensa americanos.

Apesar das desavenças, "durante os últimos anos foi mantido um nível de comunicação entre as autoridades cubanas e americanas para situações de emergência na Base Naval", afirmou o "Granma".

"Além dos sólidos princípios e da ética que regem a conduta das FAR em qualquer cenário, incidentes como o ocorrido demonstram as complicações logísticas e práticas de manter uma base contra a vontade do povo neste enclave", insiste o texto.

Guantánamo é o enclave militar mais antigo que os EUA têm em solo estrangeiro.

A base naval foi estabelecida quando os EUA ocuparam Cuba após derrotar o exército espanhol na Guerra Hispano-Americana (1898) e seu arrendamento ficou estabelecido por um convênio bilateral de 1903 que outorgava aos EUA o poder de permanecer no terreno durante o tempo que precisasse.

Após mais de meio século de inimizade, ambos os países restabeleceram relações diplomáticas em 2015 e iniciaram um processo de normalização, estagnado desde a chegada do presidente Donald Trump, que reverteu parte dos avanços impulsionados por seu predecessor, Barack Obama.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos