PUBLICIDADE
Topo

Internacional

EUA isenta Brasil, UE, Argentina e Coreia do Sul de tarifas a aço e alumínio

22/03/2018 15h22

(Corrige sublead)

Washington, 22 mar (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, decidiu isentar Brasil, União Europeia (UE), Austrália, Argentina e Coreia do Sul - além dos parceiros de NAFTA Canadá e México - do aumento das tarifas à importação de aço e alumínio que entrará em vigor nesta sexta-feira.

"O que (Trump) decidiu fazer é suspender a imposição de tarifas a estes países", declarou ao Comitê de Finanças do Senado o representante de Comércio Exterior do país, Robert Lighthizer.

Trump causou uma grande polêmica no início deste mês ao anunciar a intenção de impor novas tarifas às importações de aço (de 25%) e alumínio (10%), uma medida que, conforme disse na ocasião, afetaria todos os parceiros comerciais do país.

No entanto, o anúncio de Lighthizer revisa a decisão do presidente americano de ceder, pelo menos de maneira temporária, às pressões recebidas pela Casa Branca, tanto por parte de seus principais parceiros comerciais como por alguns membros do próprio governo.

Hoje, a comissária de Comércio da UE, Cecilia Malmström, disse mais cedo ter a esperança de que os EUA excluíssem o bloco da imposição dessas tarifas até amanhã, quando o governo americano deve divulgar a lista definitiva de nações afetadas por esta medida protecionista. Na última terça-feira, o secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross, e a própria Malmström se reuniram em Washington para debater o tema.

Ontem, o presidente Michel Temer afirmou que Brasil e EUA também entraram em negociações sobre as tarifas e de mostrou otimista sobre o resultado das conversas.

Em relação aos casos de México e Canadá, Lighthizer lembrou que Washington está negociando atualmente com estes países os termos do Tratado de Livre-comércio da América do Norte (NAFTA), por isso não se espera uma resolução definitiva até que estas conversas terminem.

Nos casos de Austrália e Coreia do Sul, cabe destacar que estes países têm uma relação histórica com os Estados Unidos, com reflexo em um grande fluxo comercial.

Internacional