PUBLICIDADE
Topo

Internacional

ONU pede que Índia e Paquistão diminuam tensão de forma urgente

27/02/2019 16h04

Nações Unidas, 27 fev (EFE).- O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu nesta quarta-feira que Índia e Paquistão tomem medidas "urgentemente" para "diminuir as tensões", depois que hoje as duas potências nucleares anunciaram a derrubada de caças do outro país.

Através do seu porta-voz, Guterres exigiu compromisso às duas partes para cumprir com sua responsabilidade de manter a paz e a segurança na região.

Segundo o porta-voz Stéphane Dujarric, o secretário-geral das Nações Unidas está acompanhando a situação com "profunda preocupação" e recebeu ontem uma ligação do ministro de Relações Exteriores paquistanês, Shah Mahmood Qureshi.

As Nações Unidas também estão mantendo contatos em vários níveis tanto com o Paquistão como com a Índia, segundo Dujarric, que acrescentou que, como é costume, o secretário-geral está disposto a usar seus "bons ofícios" se as duas partes solicitarem.

A recente escalada de tensão entre os dois países se intensificou nas últimas horas, depois que as duas potências nucleares informaram que derrubaram caças do outro país.

Em uma guerra de propaganda lançada por ambas nações, o Paquistão garantiu ter abatido nesta quarta-feira dois caças indianos, enquanto a Índia informou da derrubada de um avião de combate paquistanês, ao mesmo tempo em que reconheceu ter perdido também uma das suas aeronaves.

Esta escalada militar acontece depois que a Índia assegurou ter bombardeado na terça-feira um acampamento em solo paquistanês do grupo terrorista Jaish-e-Mohammed (JeM), que reivindicou o atentado do último dia 14 de fevereiro na Caxemira indiana no qual morreram 42 policiais, o pior ataque na região em três décadas.

Embora o Paquistão tenha negado que a incursão indiana tivesse provocado danos, respondeu nesta quarta-feira com um bombardeio em zonas não habitadas da Linha de Controle (LoC, fronteira de fato na Caxemira), o que provocou a entrada em combate de caças indianos. EFE

Internacional