Topo

Paraguai diz que Brasil iniciou processo para revogar asilo de ativistas

2019-04-25T15:49:00

25/04/2019 15h49

Assunção, 25 abr (EFE).- O Ministério do Interior do Paraguai afirmou nesta quinta-feira que recebeu uma notificação do Brasil sobre o início da abertura do processo de revogação do asilo político concedido durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a três ativistas de esquerda paraguaios.

O governo do Paraguai quer a extradição de Juan Arrom, Anúncio Martí e Víctor Colmán, ex-líderes do Partido Pátria Livre, acusados no país de participar do sequestro em 2001 da nora do ex-ministro da Fazenda Enzo Debernardi, libertada após o pagamento de US$ 1 milhão.

Em comunicado, o Ministério do Interior informou que os três ativistas receberam uma notificação do início do processo de revogação do refúgio concedido em 2003, durante o governo Lula.

O caso será avaliado pela Comissão Nacional de Refugiados (Conare), a pedido do presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez, ao presidente Jair Bolsonaro. A decisão deve sair até maio.

Segundo o governo do Paraguai, as autoridades brasileiras tiveram dificuldades de entregar a notificação a Arrom porque o ativista não foi encontrado nos 15 endereços registrados no país. No entanto, o problema já foi resolvido, e ele tem ciência do processo.

O objetivo do governo do Paraguai é pedir a extradição dos três ex-líderes para que eles sejam julgados pela Justiça do país. Se o status de refugiado for retirado, caberá ao Supremo Tribunal Federal (STF) determinar a prisão dos três e iniciar a extradição.

Em 2002, antes de serem julgados, Bordón, Arrom e Martí desapareceram. Os três foram libertados dias depois com sinais de tortura e fugiram para o Brasil.

A suposta tortura contra eles está sendo investigada pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos, que aceitou a denúncia apresentava pelos ativistas contra o governo do Paraguai. EFE

Mais Internacional