Topo

Irã apresenta novo sistema de defesa aérea de longo alcance

22/08/2019 08h10

Teerã, 22 ago (EFE).- As autoridades do Irã apresentaram nesta quinta-feira um novo sistema de defesa aérea de fabricação local chamado Bavar 373, que pode usar três tipos de mísseis para alcançar alvos em diferentes altitudes.

O novo sistema, capaz de detectar cem alvos de forma simultânea, foi anunciado durante uma cerimônia em Teerã por causa do Dia Nacional da Indústria Defensiva, na qual esteve presente a cúpula militar e o presidente iraniano, Hassan Rohani.

O vice-ministro iraniano de Defesa, o general Qasem Qureishi, explicou que a capacidade de alcance do Bavar 373 é de cerca de 300 quilômetros, superando assim a do sistema russo S-300.

Trata-se de um sistema móvel de lançamento vertical utilizado principalmente para a defesa aérea em navios de guerra que pode detectar e atacar alvos a até 65 quilômetros de altura.

Segundo o titular de Defesa, Amir Hatami, a República Islâmica reforça assim suas capacidades militares para se defender diante de "ameaças estrangeiras".

Hatami também destacou as conquistas defensivas alcançadas apesar das sanções, em alusão ao embargo armamentístico à República Islâmica que deve acabar em 2020 e que forçou o Irã a desenvolver em nível interno esta indústria.

A apresentação do Bavar 373 coincide com um momento de escalada da tensão entre o Irã e os Estados Unidos, país que impôs no ano passado sanções a Teerã após se retirar unilateralmente do acordo nuclear de 2015.

Desde maio, foi registrada no Golfo Pérsico uma série de ataques a petroleiros e navios cisterna, dos quais os EUA responsabilizaram o Governo de Teerã.

As autoridades iranianas rejeitaram o envolvimento nestes incidentes, mas reividicaram a demolição de um drone americano em junho e a captura de um petroleiro de bandeira britânica em julho.

O Irã insiste que sua capacidade militar não representa uma ameaça para outros países porque sua política se baseia simplesmente na dissuasão e assegura que não busca uma guerra com os EUA, mas que se defenderá se for atacado. EFE

Mais Notícias