PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Justiça nega liberdade a homem que inspirou filme 'Hotel Ruanda'

Paul Rusesabagina é fotografado em Ruanda - CLEMENT UWIRINGIYIMANA
Paul Rusesabagina é fotografado em Ruanda Imagem: CLEMENT UWIRINGIYIMANA

Da EFE, em Kigali

17/09/2020 15h14

Um tribunal de Ruanda negou hoje a liberdade condicional a Paul Rusesabagina, o ex-gerente que inspirou o filme "Hotel Ruanda", depois de salvar mais de 1,2 mil durante o genocídio de 1994 e que permanecerá em prisão preventiva após ser acusado de 13 crimes, vários deles relacionados ao terrorismo.

A juíza Dorothy Yankurije, do tribunal distrital de Kicukiro, em Kigali, ordenou que Rusesabagina fosse preso temporariamente por 30 dias para "garantir que ele não sabote as investigações em andamento em seu caso".

O acusado, que estava presente no tribunal e havia pedido para pagar fiança alegando estar doente, anunciou que entrará com recurso contra a decisão da Justiça.

Rusesabagina, de 66 anos, tem cinco dias para entrar com o processo.

O juiz emitiu a decisão depois que o Ministério Público apresentou, na última segunda-feira (13), acusações relacionadas ao terrorismo contra o ex-gerente.

Ele é acusado de ter dado dinheiro à milícia das FLN (Forças de Libertação Nacional), braço armado do MRCD (Movimento Ruandês pela Mudança Democrática), partido que ele lidera.

Rusesabagina foi preso em 31 de agosto no aeroporto internacional de Kigali, segundo a versão do governo ruandês, embora a família e seus advogados garantem que ele foi "raptado, desaparecido e submetido a uma rendição extraordinária de Dubai para Ruanda".

As autoridades ruandesas sustentam que sua prisão foi legal, mas não forneceu mais detalhes e ninguém explicou o que exatamente aconteceu entre o dia 27 de agosto, quando o acusado conversou com sua família após chegar a Dubai (Emirados Árabes Unidos), e 31 de agosto, quando foi apresentado aos meios de comunicação em Kigali.

Rusesabagina, que era gerente do famoso Hotel des Mille Collines, em Kigali, onde abrigou mais de mil tutsis e hutus moderados durante o genocídio para salvá-los dos hutus extremistas, tinha um mandado de prisão internacional, acusado de crimes como assassinato e sequestro de civis ruandeses.

O trabalho de Rusesabagina no estabelecimento inspirou o famoso filme "Hotel Ruanda" (2004), baseado na história desse influente empresário hutu, casado com uma tutsi.

Internacional