Topo

Petrobras recolhe mais de 200 t de resíduos oleosos nas praias do Nordeste

Barril encontrado em praia com óleo derramado está sendo investigado por autoridades no Nordeste - Adema
Barril encontrado em praia com óleo derramado está sendo investigado por autoridades no Nordeste Imagem: Adema

16/10/2019 12h48

A Petrobras coletou mais de 200 toneladas de resíduos oleosos, ainda de origem misteriosa, que vêm atingindo praias do Nordeste desde o início de setembro, informou hoje a companhia.

A petroleira estatal mobilizou cerca de 1.700 agentes ambientais para limpeza das áreas impactadas na região e mais de 50 empregados para planejamento e execução da resposta às manchas, disse a empresa.

Em comunicado, a Petrobras reafirmou ainda que será ressarcida pelos trabalhos desempenhados no combate ao problema ambiental, conforme publicado anteriormente pela Reuters, com informação da estatal.

"A Petrobras reforça que o óleo nas praias do Nordeste não tem origem nas operações da companhia e os custos das atividades de limpeza serão ressarcidos, conforme informado pelo Ibama", reiterou.

Também foram acionados, segundo a Petrobras, cinco Centros de Defesa Ambiental (CDA) —instalações da empresa distribuídos pelo país para responder a emergências ambientais— e nove Centros de Resposta a Emergência.

Identificadas desde 2 de setembro, as manchas de petróleo chegaram a todos Estados do Nordeste e já atingem 72 municípios e 167 localidades, segundo dados atualizados pelo órgão ambiental Ibama na noite de terça-feira.

Também hoje, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, realizou um sobrevoo sobre o litoral da Bahia para inspecionar as manchas. Em mensagem no Twitter, Salles disse que o sobrevoo marcado para hoje visava "acompanhamento das manchas e equipes de recolhimento" e acrescentou que irá visitar também "outras localidades" afetadas.

O Ibama registrou avistamentos de ao menos 13 tartarugas marinhas mortas nas praias impactadas pelas manchas de óleo, de acordo com levantamento até segunda-feira.

O órgão ambiental confirmou que requisitou apoio da Petrobras para limpeza das praias. Já a investigação da origem das manchas de óleo é conduzida pela Marinha, enquanto a investigação criminal está sob responsabilidade da Polícia Federal.

Até o momento, o governo brasileiro ainda não identificou a origem do petróleo e nem como aconteceu o derramamento. Segundo a Petrobras, a análise de amostras realizadas pelo Centro de Pesquisas da Petrobras (Cenpes) atestou que o petróleo cru encontrado nas praias não é produzido no Brasil, nem comercializado ou transportado pela companhia.

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, disse na semana passada que foi identificado que o material possui características similares ao petróleo extraído na Venezuela, mas destacou que ainda não há conclusões definitivas.

Antes, o ministro Salles também havia dito que o petróleo "muito provavelmente" é de origem venezuelana.

O governo da Venezuela e a estatal PDVSA, no entanto, rejeitaram na semana passada responsabilidade pelo derramamento, afirmando que não encontraram evidências de vazamentos em campos de petróleo no país que pudessem ter afetado o Brasil.

Barreiras

O Ibama disse ainda que requisitou à Petrobras a disponibilização de barreiras de contenção para impedir que o óleo continue se espalhando, mas afirmou que a medida foi tomada "por precaução", uma vez que avalia que o uso do equipamento "pode não alcançar a eficácia pretendida".

"Nos casos em que o óleo derramado é de origem conhecida e sua dispersão é prevista, a instalação de barreiras em águas calmas é tecnicamente recomendável para proteger pontos sensíveis, como manguezais. Contudo, se os manguezais já estiverem oleados, a medida poderá provocar o efeito inverso e impedir a depuração natural do ambiente", explicou.

Segundo o órgão ambiental, mais de 200 barreiras estão em Aracaju, no Sergipe, "à disposição de instituições com capacidade operacional para realizar sua instalação e manutenção".

Meio Ambiente