PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
8 meses

Argentina diz que pode receber 750 mil doses de vacina da Pfizer contra covid-19 em dezembro

Profissionais de saúde visitaram residências em comunidade pobre de Buenos Aires para prevenir e diagnosticar casos do novo coronavírus - Divulgação/Província de Buenos Aires
Profissionais de saúde visitaram residências em comunidade pobre de Buenos Aires para prevenir e diagnosticar casos do novo coronavírus Imagem: Divulgação/Província de Buenos Aires

Maximilian Heath

06/11/2020 20h21

A Argentina poderá receber 750 mil doses da vacinas contra o coronavírus desenvolvida pela farmacêutica norte-americana Pfizer em dezembro, disse o presidente Alberto Fernández nesta sexta-feira, observando que o governo se prepara para começar a vacinação de sua população.

Na segunda-feira, o governo já havia anunciado que acertou com a Rússia a entrega de 10 milhões de doses da vacina Sputnik V contra a covid-19 desenvolvidas por Moscou. Em mensagem gravada transmitida nesta sexta, Fernández disse que, se a vacina for aprovada, poderia começar a ser aplicada no final do próximo mês.

Segundo dados oficiais da Argentina, foram registrados 1,22 milhão de casos da doença, dos quais 32.766 pessoas morreram. O país tem uma população de cerca de 45 milhões de habitantes.

"Poderíamos ter a possibilidade de vacinar 750 mil pessoas com a vacina da Pfizer, que em dezembro pode chegar à Argentina", disse Fernández, acrescentando que espera receber em março a vacina da AstraZeneca e sua parceira, a Universidade de Oxford.

A já abalada economia argentina sofreu um revés adicional com a pandemia, e Fernández afirmou que é uma prioridade do governo obter a vacina contra a covid-19. O presidente argentino indicou na mensagem que já ordenou a vários ministérios que comecem a planejar a aplicação da vacina.

"Isso nos exige um grande esforço, porque a tarefa de vacinar exige que organizemos toda uma logística que nos permita chegar rapidamente a cada canto da Argentina", disse Fernández, destacando que ?agora precisamos começar a nos preparar para a vacina?.

Coronavírus