PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Confronto entre palestinos e polícia de Israel deixa mais de 300 feridos na mesquita de Jerusalém

Polícia israelense e palestinos se enfrentam em frente à mesquita de Al Aqsa em Jerusalém - Ammar Awad/Reuters
Polícia israelense e palestinos se enfrentam em frente à mesquita de Al Aqsa em Jerusalém Imagem: Ammar Awad/Reuters

Jeffrey Heller

10/05/2021 09h44Atualizada em 10/05/2021 12h04

Manifestantes palestinos atiraram pedras e policiais israelenses dispararam granadas de atordoamento e balas de borracha em confrontos diante da mesquita de Al-Aqsa de Jerusalém hoje, quando Israel comemorou o aniversário da captura de partes da cidade na Guerra dos Seis Dias de 1967.

A Sociedade do Crescente Vermelho palestina disse que mais de 305 palestinos ficaram feridos no episódio e que ao menos 228 deles foram levados a hospitais. Vários se encontram em estado grave, e a polícia disse que 21 agentes ficaram feridos.

Al-Aqsa, o terceiro local mais sagrado do Islã, é um foco de violência em Jerusalém durante o mês muçulmano sagrado do Ramadã, e os conflitos causaram preocupação internacional.

As tensões ficaram particularmente altas porque Israel comemorou o "Dia de Jerusalém", sua celebração anual da conquista de Jerusalém Oriental e da Cidade Velha murada, que abriga sítios sagrados muçulmanos, judeus e cristãos.

Na tentativa de amenizar a situação, a polícia israelense disse que proibiu que grupos judeus realizassem visitas nesta data à praça sagrada que abriga Al-Aqsa, que estes reverenciam como o local original de templos bíblicos.

A polícia também estudava redirecionar um desfile tradicional do Dia de Jerusalém no qual milhares de jovens judeus portando bandeiras de Israel atravessam o Portão de Damasco da Cidade Velha e o Bairro Muçulmano.

A polícia disparou gás, granadas de atordoamento e balas de borracha contra centenas de palestinos que os alvejaram com pedras na praça de Al-Aqsa, disseram testemunhas.

A violência no complexo sagrado diminuiu várias horas depois de começar, e testemunhas disseram que a polícia israelense começou a permitir a entrada de palestinos de mais de 40 anos.

Em comentários públicos, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse que seu país está determinado a manter a lei e a ordem em Jerusalém, preservando ao mesmo tempo a "liberdade de culto e a tolerância a todos".

Nabil Abu Rudeineh, porta-voz do presidente palestino, Mahmoud Abbas, acusou "forças de ocupação israelenses" de realizarem uma "operação brutal" em Al-Aqsa.

As tensões também são insufladas pelos planos de expulsão de várias famílias palestinas do bairro de Sheikh Jarrah, em Jerusalém Oriental.

Internacional