PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
3 meses

Aras nega omissão em combate à pandemia e diz ter cuidado para não criminalizar política

Augusto Aras, atual procurador-geral da República - Pedro França/Pedro França/Agência Senado
Augusto Aras, atual procurador-geral da República Imagem: Pedro França/Pedro França/Agência Senado

Ricardo Brito

Da Reuters

24/08/2021 13h29Atualizada em 24/08/2021 13h29

O procurador-geral da República, Augusto Aras, negou nesta terça-feira ter sido omisso em sua função no enfrentamento à pandemia de coronavírus no país e destacou ter cuidado em sua conduta para não criminalizar a política.

Em meio a críticas de omissão, Aras disse que não faltou atuação da PGR nos 18 meses de combate à pandemia, citando uma série de informações e iniciativas tomadas no período.

Em sabatina na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado para ser reconduzida ao cargo por mais dois anos, o procurador-geral citou que reafirmava seu compromisso de cumprir a Constituição e fará dessa forma quando receber o relatório final dos trabalhos da CPI da Covid.

A comissão de inquérito, de maioria oposicionista ao governo, pode responsabilizar o presidente Jair Bolsonaro por falhas no enfrentamento à pandemia. Caberá ao procurador-geral — após receber o relatório — decidir se usará essas conclusões para mover ações judiciais.

Independente

Indicado ao cargo por Bolsonaro e acusado por críticos de não agir contra o presidente como deveria, Aras fez questão de tentar demonstrar em sua fala uma atuação independente.

"Não se trata de um procurador-geral leal a governo nenhum, se trata de um procurador leal à Constituição", disse ele.

Aras citou uma série de iniciativas tomadas perante o Supremo em desfavor de Bolsonaro e do governo dele. Mas citou que, embora tenha demonstrado ter tomado posições contrários ao governo, não é "procurador da oposição".

O procurador-geral ressalvou que há um cuidado permanente para não criminalizar e não judicializar a política.

Novamente, Aras defendeu o atual sistema de votação por meio de urnas eletrônicas, alvo de reiteradas críticas de Bolsonaro. Citou que o vice-procurador-geral eleitoral já se manifestou pela "idoneidade" do sistema utilizado.

Política