PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Ucrânia vê diálogo Biden-Putin como rota para 'dissuasão e apaziguamento'

Ucrânia acredita que a conversa entre o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o presidente da Rússia, Vladimir Putin, permitiu "dissuasão e apaziguamento" - Martijn Beekman/EFE
Ucrânia acredita que a conversa entre o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o presidente da Rússia, Vladimir Putin, permitiu "dissuasão e apaziguamento" Imagem: Martijn Beekman/EFE

Matthias Williams

08/12/2021 10h20Atualizada em 08/12/2021 10h38

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse à Reuters nesta quarta-feira que a conversa entre o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o presidente da Rússia, Vladimir Putin, permitiu "dissuasão e apaziguamento".

Na primeira reação de uma autoridade ucraniana de alto escalão à videoconferência de terça-feira entre Biden e Putin, Kuleba saudou os esforços dos EUA para levar a Rússia à mesa de negociação.

Mas ele acrescentou que a prioridade é elaborar um pacote de dissuasão para desencorajar uma nova escalada militar russa.

A Ucrânia e seus aliados da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) alertam para a movimentação de soldados russos perto das fronteiras com a Ucrânia neste ano, o que cria o temor de que um conflito em ebulição no leste da Ucrânia se transforme em uma guerra aberta entre as duas vizinhas.

"O contato em si serve (como) dissuasão e apaziguamento", disse Kuleba em comentários por escrito sobre a conversa de terça-feira. "Valorizamos o engajamento diplomático crucial dos EUA nos esforços para levar a Rússia de volta à mesa de negociações."

Na ocasião, Biden alertou Putin que o Ocidente imporá "medidas econômicas e outras com força" à Rússia se esta lançar uma nova ofensiva contra a Ucrânia, enquanto Putin exigiu garantias de que a Otan não se expandirá mais para o leste.

O governo russo refuta as insinuações de que tenha intenções de atacar a Ucrânia, que diz serem falsas e inflamatórias, e aponta um comportamento desestabilizador da Ucrânia e dos EUA.

Internacional