PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
3 meses

Bolsonaro justifica viagem para Rússia: 'Melhores relações comerciais'

Em conversa com apoiadores, o presidente Jair Bolsonaro justificou sua viagem à Rússia, marcada para fevereiro, como uma oportunidade de buscar "melhores relações comerciais" - Clauber Cleber Caetano/PR
Em conversa com apoiadores, o presidente Jair Bolsonaro justificou sua viagem à Rússia, marcada para fevereiro, como uma oportunidade de buscar "melhores relações comerciais" Imagem: Clauber Cleber Caetano/PR

Lisandra Paraguassu

27/01/2022 14h51Atualizada em 27/01/2022 15h04

O presidente Jair Bolsonaro justificou nesta quinta-feira sua viagem à Rússia, marcada para fevereiro, como uma oportunidade de buscar "melhores entendimentos" e "melhores relações comerciais".

Em conversa com apoiadores nesta quinta-feira, Bolsonaro foi questionado se de fato o presidente russo, Vladimir Putin, é um conservador, já que seria, na visão deste simpatizante do presidente, líder de um país "comunista".

"Ele é conservador sim", respondeu o presidente. "Eu vou estar mês que vem lá, melhores entendimentos, melhores relações comerciais."

Na mesma viagem, Bolsonaro irá ainda à Hungria, onde tem no primeiro-ministro Viktor Orbán, de extrema direita, também um aliado. O roteiro incluía inicialmente também a Polônia, do também ultradireitista Andrzej Duda, mas foi cancelada.

A Polônia vive atualmente um momento de tensão com a Rússia por causa da presença em massa de refugiados em busca de entrar na União Europeia —em sua maioria vindos do Oriente Médio— na fronteira polonesa com Belarus, país que é aliado de primeira hora de Moscou. Diante da crise, Bolsonaro foi desaconselhado a incluir Varsóvia no roteiro da viagem.

Na conversa com apoiadores, Bolsonaro não comentou outra crise geopolítica envolvendo a Rússia, que inclui ainda Estados Unidos e boa parte dos países europeus e foi causada pela concentração de milhares de soldados russos na fronteira com a Ucrânia, no que é visto pelos norte-americanos como a preparação para uma invasão, o que Moscou nega.

A viagem está prevista para 14 a 17 de fevereiro, com a ida para a Hungria na sequência.

Política