PUBLICIDADE
Topo

Hospitais da Suécia suspendem uso de cloroquina em pacientes com coronavírus devido a efeitos colaterais

Claudia Wallin

correspondente da RFI em Estocolmo

10/04/2020 08h32

Hospitais de ponta da Suécia interromperam o uso do medicamento cloroquina em pacientes infectados com o coronavírus, em consequência de relatos de graves efeitos colaterais - como arritmias cardíacas e perda de visão periférica.

Defendida pelos presidentes Donald Trump e Jair Bolsonaro como uma possível cura para o Covid-19, a cloroquina - ou sua variante, a hidroxicloroquina - é indicada para o tratamento da malária, mas tem sido testada em pacientes com coronavírus embora sem comprovação científica da eficácia do medicamento nesses casos.

"Recomendações médicas devem ser feitas por especialistas, e não por políticos", disse à RFI o médico sueco Magnus Gisslén, professor da Universidade de Gotemburgo e chefe do Departamento de Doenças Infecciosas do Hospital Universitário Sahlgrenska, o maior hospital da Suécia e um dos maiores da Europa.

Todos os hospitais da região de Västra Götaland - incluindo a cidade de Gotemburgo, a segunda maior do país - pararam de administrar a cloroquina em pacientes de Covid-19. Diversos hospitais da capital sueca - entre eles o Södersjukhuset, um dos maiores de Estocolmo - também já anunciaram a suspensão do medicamento.

"Tomamos a decisão de interromper o uso da cloroquina diante de uma série de casos suspeitos de efeitos colaterais severos, sobre os quais tivemos notícia tanto aqui na Suécia como através de colegas de hospitais em outros países", destacou o professor Magnus Gisslén.

O especialista ressalta que um dos principais efeitos colaterais possíveis da cloroquina é o risco de arritmias e paradas cardíacas, especialmente se administrada em altas doses. Doses excessivas podem ser letais.

"No início da crise do coronavírus, começamos a administrar a cloroquina em pacientes de Covid-19, o que já vinha sendo feito em países como China, Itália e França. Mas diante de suspeitas de que o remédio pode ter efeitos colaterais mais graves do que pensávamos, optamos por não arriscar vidas. Não se pode descartar que o medicamento possa inclusive piorar o quadro clínico do paciente", observa o médico sueco.

Ele reforça a preocupação de que ainda não há evidências por trás da esperança de que a cloroquina possa ser eficaz no tratamento da Covid-19.

"Vamos portanto aguardar até que se possa ter provas mais robustas em torno do uso da cloroquina", diz Magnus Gisslén.

O jornal sueco Expressen citou o caso de um paciente de coronavírus que teve sua visão afetada após ser tratado com cloroquina no hospital Södersjukhuset, na capital sueca. Segundo o jornal, o hospital prescreveu duas doses diárias de cloroquina para o sueco Carl Sydenhag, de 40 anos, dois dias depois de ele ter sido diagnosticado com o Covid-19 no dia 23 de março. Em seguida, Sydenhag sentiu fortes dores de cabeça e cãibras, e teve sua visão periférica reduzida. Hoje livre dos sintomas do Covid-19, Sydenhag diz que se sente muito melhor, embora a visão ainda esteja pior do que o normal.

Defesa da cloroquina

No Brasil, o uso da cloroquina é uma das principais divergências entre o presidente Jair Bolsonaro e o Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta - que tem pedido cautela no uso da cloroquina. Em pronunciamento transmitido em cadeia nacional na noite de quarta-feira (8), o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender o uso da cloroquina e da hidroxicloroquina no tratamento doa Covid-19.

Nos Estados Unidos, o presidente Donald Trump também se tornou nas últimas semanas um grande defensor da cloroquina no tratamento de infectados pelo coronavírus, mesmo sem estudos conclusivos sobre a eficácia.

De acordo com o jornal New York Times, a posição de Trump pode ser também motivada por interesses pessoais: o presidente americano figura entre os acionistas da Sanofi, indústria farmacêutica que detém a patente da droga. Ainda segundo a reportagem, um dos principais acionistas da empresa é Ken Fisher, que está entre os maiores doares de campanha para o Partido Republicano de Donald Trump.

Uso de anestésicos para animais

Nesta sexta-feira, a escassez de medicamentos em consequência da pandemia do coronavírus também levou a Suécia a autorizar o uso de anestésicos utilizados em animais para tratar pacientes internados em unidades de terapia intensiva no país. A mesma medida foi anunciada há poucos dias pelas autoridades da França.

Também comercializado em versão para a medicina veterinária, o Propofol - conhecido pela marca comercial Diprivan -é um agente anestético usado com frequência na sedação de pacientes entubados e ligados a aparelhos em UTIs. Segundo as autoridades de saúde, o medicamento prescrito para uso veterinário tem a mesma substância ativa e o mesmo efeito do remédio fabricado para humanos.

"Vivemos uma situação extrema, com a explosão de demanda mundial por anestéticos. Devemos portanto tomar medidas extraordinárias que podem ser necessárias", disse à televisão pública sueca SVT a diretora da Agência de Produtos Médicos da Suécia (Läkemedelsverket), Maja Marklund.

Coronavírus