PUBLICIDADE
Topo

Trump e Bolsonaro cometem assassinatos ao incentivar cloroquina, diz Ciro

Do UOL, em São Paulo

09/04/2020 11h32Atualizada em 09/04/2020 15h38

O ex-ministro e ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT) disse hoje, em entrevista ao UOL, que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, agem como "políticos irresponsáveis" ao recomendarem o uso da cloroquina no combate ao novo coronavírus sem que os testes sobre a substância estejam concluídos. Na avaliação de Ciro, atitudes como essa nada mais são do que "assassinato".

"O que não pode é um político, seja ele quem for, [ir] contra os protocolos, contra o estabelecido pela ciência. Porque todo remédio tem uma contraindicação. Se você não estabelece as pesquisas, o domínio, acho que francamente nada mais é do que assassinato aquilo que está sendo feito por políticos irresponsáveis —entre os quais, o seu Donald Trump e o senhor Jair Messias Bolsonaro no Brasil", disse.

Ciro afirmou ainda que o público leigo deve sair da discussão em torno do medicamento porque isso está "prejudicando a população". "Por duas questões: aqueles que estão precisando do remédio não encontram e aqueles que acham que podem se automedicar vão se envenenar", declarou.

Questionado sobre o fato de médicos de renome terem feito uso do medicamento, como o infectologista David Uip, Ciro disse que os profissionais têm conhecimento do que estão "fazendo com o próprio corpo" e que a recomendação da substância não é "papel de político".

O uso da cloroquina no atendimento a pacientes com a covid-19 tem sido uma das principais bandeiras do presidente Jair Bolsonaro durante a pandemia. Em pronunciamento realizado ontem em rede nacional, ele voltou a defender o medicamento e elogiou o médico Roberto Kalil por assumir ter usado a substância em seu próprio tratamento. David Uip, por sua vez, relutou em admitir o uso, e pediu "respeito" a Bolsonaro ao ser confrontado pelo presidente.

Coronavírus