PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Esse conteúdo é antigo

França usa quartos de hotéis e amplia albergues para proteger população sem teto do coronavírus

Diante da Torre Eiffel, França tem ruas vazias durante pandemia de coronavírus - Marc Piasecki/Getty Images
Diante da Torre Eiffel, França tem ruas vazias durante pandemia de coronavírus Imagem: Marc Piasecki/Getty Images

Em Paris

12/04/2020 11h07

Enquanto toma medidas de isolamento social para reduzir a rapidez do contágio do coronavírus, o governo francês usa 9.000 quartos de hotéis e transforma prédios públicos em albergues para a população de rua do país.

Após decretar o confinamento nacional, em 17 de março, o governo francês encaminhou pedidos de quartos de hotéis para a grande rede hoteleira do país e pediu que os governantes de cada cidade disponibilizassem prédios públicos para serem transformados em abrigos para a população de rua.

O esforço federal ampliou em 17 mil lugares a capacidade de abrigo para a população mais vulnerável, somando 174 mil vagas. O total, no entanto, não é suficiente para atender os cerca de 200 mil moradores de rua da França, segundo estimativas de associações que atendem esta população.

Ginásios, hotéis e campings para os sem-teto

A cidade de Cannes, que não terá este ano seu famoso festival de cinema, transformou o palácio que recebe o Festival de Cannes para receber 80 moradores de rua.

Em Paris, seis ginásios esportivos foram abertos para acolher a população sem teto. Outros oito ginásios foram colocados à disposição de associações dedicadas à acolhida de sem teto e refugiados.

Na capital, os quartos de hotéis disponibilizados são prioritários para famílias com crianças, de acordo com a prefeitura de Paris. No balanço do ministério, a capital tem pouco mais de 800 quartos disponibilizados para a população de rua.

Diversas prefeituras do interior do país abriram seus campings municipais para o atendimento de moradores de rua.

Com a mobilização de voluntários e um orçamento de 65 milhões de euros, o ministério da Habitação ampliou a capacidade nacional de abrigo de 157 mil lugares para 174 mil e abriu 86 locais especializados para confinar moradores de rua vítimas do coronavírus que não precisam ser hospitalizados.

Não é o suficiente

As associações de direitos humanos, no entanto, dizem que o número de abrigos e a ajuda com cheques para alimentação de 7 euros por dia para 60 mil pessoas não é o suficiente para atender essa população atingida por grandes vulnerabilidades.

Pelas ruas de Paris e de outras grandes cidades francesas, os sem-teto são os poucos que seguem nas ruas e praças durante o confinamento nacional.

"Os invisíveis nunca foram tão visíveis», afirmou o fundador da associação LHA, de atendimento à população de rua em Lille. Camille disse ao jornal 20 Minutes que as ruas continuam cheias de sem-teto sem nenhuma proteção.

O país já identificou mais de 93 mil pessoas contaminadas pelo coronavírus. Entre hospitais e casas de repouso, 13.832 pessoas morreram no país em decorrência da epidemia.

Coronavírus