PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

França relata problemas cardíacos e mortes em quem usou hidroxicloroquina

Do UOL, em Brasília

10/04/2020 21h18

Na França, pacientes com coronavírus tratados com hidroxicloroquina apresentaram problemas cardíacos e quatro deles morreram, informou a Agência Nacional de Vigilância de Medicamentos francesa, a ANSM.

A agência francesa iniciou em 27 de março uma pesquisa sobre efeitos colaterais de drogas utilizadas experimentalmente no tratamento do coronavírus, para investigar possíveis efeitos colaterais das drogas.

A agência francesa informou ter identificado ao menos 43 pacientes com complicações cardíacas após o uso de hidroxiloroquina no tratamento, isoladamente ou em associação com a azitromicina, um antibiótico que também tem sido utilizado de forma experimental, de acordo com a agência de notícias Bloomberg.

Sete dos pacientes sofreram paradas cardíacas e, entre esses, quatro morreram, segundo o jornal francês L'Express.

O estudo levou a ANSM francesa a lançar um alerta de que a hidroxicloroquina só deve ser usada em ambiente hospitalar sob supervisão médica.

Cloroquina no Brasil

No Brasil, o Ministério da Saúde já havia autorizado que médicos utilizassem a substância para pacientes graves, que estão internados, e pacientes críticos, que estão em leitos de UTI.

Mas o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou que está em estudo a autorização do uso da hidroxicloroquina e da cloroquina para pacientes com quadros leves da covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus.

A autorização, se concedida, não equivale à orientação de que o medicamento deva ser utilizado obrigatoriamente, mas apenas à permissão de que médicos prescrevam a substância no tratamento de seus pacientes.

Ainda não há estudos que comprovem a eficácia da hidroxicloroquina e da cloroquina no tratamento da covid-19, mas o uso da substância vem sendo feito experimentalmente e está sendo analisado por pesquisadores.

Segundo a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) os estudos disponíveis sobre esses medicamentos ainda não são conclusivos.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) é um entusiasta da hidroxicloroquina e da cloroquina como alternativa de tratamento ao vírus, embora ainda não haja consenso científico sobre sua eficácia.

Risco de arritmia

O secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos em Saúde, do Ministério da Saúde, Denizar Vianna, afirma que o principal efeito colateral da hidroxicloroquina e da cloroquina é a possibilidade de causar arritmia cardíaca, que em alguns casos pode levar à morte.

"O coração é uma bomba que depende da ativação de um sistema elétrico próprio. Esse medicamento pode produzir um prolongamento de uma dessas fases elétricas do coração e propiciar um ambiente favorável a uma arritmia que pode ser potencialmente fatal", afirmou Vianna, em entrevista na última terça-feira (7).

Ele explica que a hidroxicloroquina e a cloroquina são substâncias análogas, de aplicação e efeitos semelhantes. Testes mostraram que a hidroxicloroquina pode ser mais tóxica no uso a longo prazo, o que não seria o caso da utilização para o tratamento da covid-19, diz Vianna.

As substâncias são tradicionalmente utilizadas no tratamento de pacientes com malária, lúpus e artrite reumatoide.

Coronavírus