PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
15 dias

Furacão Ida se fortalece para categoria 4 antes de chegar a New Orleans

Trabalhadores colocam tapumes de madeira para proteger as vitrines de uma loja do furacão Ida, em New Orleans, nos EUA - Marco Bello/Reuters
Trabalhadores colocam tapumes de madeira para proteger as vitrines de uma loja do furacão Ida, em New Orleans, nos EUA Imagem: Marco Bello/Reuters

29/08/2021 05h36Atualizada em 29/08/2021 08h03

O furacão Ida se fortaleceu para a categoria 4 (de um total de 5) e deve tocar o solo da Louisiana na tarde de hoje, provocando graves inundações. Segundo o NHC (Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos), em Miami, os ventos que acompanham as chuvas torrenciais ultrapassam agora os 209 km/h.

Milhares de moradores de três estados americanos —Louisiana, Mississippi e Alabama— fugiram da costa do Golfo do México para escapar do furacão, qualificado de "extremamente perigoso" pelas autoridades americanas. A categoria 4 é a segunda mais alta da escala Saffir-Simpson de furacões.

A Louisiana declarou estado de emergência com a aproximação do fenômeno meteorológico. O governador do estado, John Bel Edwards, disse que Ida será uma das maiores tempestades a atingir os Estados Unidos desde a década de 1850. O presidente Joe Biden prometeu, antecipadamente, ajuda federal às áreas que serão afetadas.

As estradas rumo ao norte dos Estados Unidos registraram engarrafamentos ontem, com motoristas apressados para deixar a região na iminência da chegada do furacão ao Golfo. O tráfego era pesado na saída de Nova Orleans e outras cidades, após o chamado oficial para que os moradores fugissem ou procurassem abrigo.

Hoje, faz exatos 16 anos que o Katrina inundou 80% de Nova Orleans, deixando 1.800 mortos e danos de bilhões de dólares. A prefeita da cidade, LaToya Cantrell, advertiu os moradores a levarem Ida muito a sério. "O tempo não está do nosso lado", disse ela.

O sul da Louisiana se prepara para danos maciços e inundações, com chuvas de até 50 centímetros previstas em alguns locais. "A perda prolongada de energia é quase certa", alertou o diretor de segurança de Nova Orleans, Collin Arnold. "Imploro que levem esta tempestade a sério", acrescentou.

O presidente Joe Biden disse ter enviado centenas de membros de serviço de emergência para a região, juntamente com alimentos, água e geradores elétricos. Abrigos foram preparados para receber as pessoas deslocadas.

A Louisiana tem sido um dos estados mais castigados pela pandemia do coronavírus. Por isso, Biden urgiu a população a continuar usando máscaras e tomar precauções.

"Maré ciclônica mortal"

O Serviço Meteorológico Nacional dos Estados Unidos prevê uma "maré ciclônica potencialmente mortal" quando o furacão tocar o solo ao longo da costa de Louisiana e do Mississipi, advertindo para "danos catastróficos por ventos", que poderiam produzir tornados.

Ida tocou a costa oeste de Cuba na noite de sexta-feira (27), ainda na categoria 1, com ventos de cerca de 128 km/h. A tempestade derrubou árvores, danificou telhados e provocou a queda de linhas de energia, causando cortes de luz, segundo o site do jornal oficial Granma.

No México, uma semana após a passagem de Grace, o furacão Nora, de categoria 1, tocou o solo no estado de Jalisco na noite de ontem, na costa do Pacífico. Segundo o boletim do NHC, Nora provocou chuvas torrenciais no litoral de Jalisco e do estado de Nayarit.

Os cientistas têm advertido para um aumento na quantidade de ciclones fortes à medida que a superfície do oceano esquenta por causa do aquecimento global, o que representa uma ameaça cada vez maior para as comunidades costeiras em todo o mundo.

Com informações da AFP

Internacional