PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Traficantes de drogas no México aliciam jovens por meio de videogames e redes sociais

Traficantes de drogas no México aliciam jovens por videogames e redes sociais - Divulgação/Rochester.edu
Traficantes de drogas no México aliciam jovens por videogames e redes sociais Imagem: Divulgação/Rochester.edu

Gwendolina Duval

Correspondente da RFI no México

25/10/2021 14h24Atualizada em 25/10/2021 14h41

No México, videogames e redes sociais são usados por cartéis de drogas para recrutar jovens. Pelo menos é o que diz o governo mexicano. Na semana passada, em entrevista coletiva, o presidente alertou os pais, pedindo que tomem cuidado e dediquem mais tempo aos filhos adolescentes.

O alerta do presidente Andrés Manuel Lopez Obrador foi dado após o recrutamento de três jovens por traficantes de drogas através de um jogo para smartphones. O caso ficou conhecido como Free Fire, nome do jogo em que participantes têm como objetivo matar todos os jogadores oponentes conectados.

Foi através de uma sala de bate-papos deste vídeogame que três menores, adolescentes do estado de Oaxaca, foram contatados por um grupo criminoso. Um jogador lhes ofereceu trabalho pelo equivalente a cerca de R$ 2.270,00; a cada duas semanas, eles tinham que ir à cidade de Monterrey, no norte do país, e atuar como "falcões": isto é, ficar no topo de uma colina e alertar os traficantes de drogas sobre as travessias da polícia.

Os jovens aceitaram a oferta, estavam prontos para partir. Desta vez, as autoridades os prenderam um pouco antes, assim como um representante do cartel que encontraram no local e que iria financiar a viagem.

Não haverá proibição, mas recomendações

O presidente Andrés Manuel Lopez Obrador garantiu que não pretende proibir os videogames, seguindo o princípio "que é proibido proibir", mas clama pela autorregulação e pede aos pais que controlem os próprios filhos. Seria bastante complicado limitar o acesso dos jovens a essas plataformas, muitas vezes fáceis de baixar gratuitamente de qualquer smartphone.

O governo publicou uma lista de dez recomendações para jogadores e pais seguirem, tais como: não compartilhar sua geolocalização ou não bater papo online com estranhos.

O governo parece bastante impotente diante desse fenômeno, principalmente porque ele não é novo. No México, globalmente, todas as redes sociais são usadas por traficantes de drogas. Existem anúncios falsos no Facebook que oferecem trabalho, mas levam os interessados aos cartéis. Às vezes, as campanhas de recrutamento são muito mais explícitas nas redes sociais frequentadas pelos jovens.

No TikTok, podemos ver as postagens publicadas por membros de grupos criminosos. Eles usam capturas de tela de videogames violentos que atraem o público jovem com uma mensagem de que a organização criminosa está recrutando.

De uma forma ainda mais insidiosa, existem diversos perfis que promovem um estilo de vida de traficantes de drogas de luxo e glamour. Às vezes, eles publicam imagens violentas, mas são principalmente imagens festivas, em que criminosos exibem armas, mulheres e maços de notas de dólar.

Internacional