Número de mortos na Bahia durante greve da PM sobe para 29

UOL Notícias, em São Paulo

  • Luiz Tiro/Agência A Tarde

     Agentes da Companhia Independente de Policiamento Ambiental (CIPA) realizam ronda

    Agentes da Companhia Independente de Policiamento Ambiental (CIPA) realizam ronda

Subiu para 29 o número de mortos na Bahia devido à violência que assola o Estado desde que a Polícia Militar entrou em greve. O dado consta no último balanço da Secretaria de Segurança da Bahia que contabiliza os homicídios ocorridos entre a 0h de sexta-feira (3) e as 7h deste sábado (4).

A secretaria de comunicação do governo da Bahia afirmou que as Forças Armadas e a Força Nacional disponibilizaram cerca de 3.000 militares para ajudar a garantir a segurança em Salvador e principais cidades do interior baiano por conta da greve de parte dos policiais militares.

A madrugada de sexta foi a mais violenta desde o começo da paralisação, no começo da semana. Ainda segundo o governo estadual, já estão no Estado 2.350 homens das forças estaduais e, no hoje, desembarcarão mais 600 militares.

O governador JaquesWagner (PT) lembrou, em pronunciamento em rede de rádio e TV, que a paralisação já foi considerada ilegal pela Justiça, e afirmou que o governo sempre esteve aberto à negociação. "Não podemos conviver com um movimento decretado ilegal pela Justiça baiana. Além disso, 12 mandados de prisão já foram emitidos", afirmou, sem dar detalhes sobre os mandados citados.

Ele prometeu continuar trabalhando para melhorar as condições de trabalho dos policiais. “Mas não aceito que um pequeno grupo cometa desordem. Continuarei firme na defesa da paz. A Polícia Militar da Bahia não pode ser transformada em um instrumento de desordem.”

Violência

No final da tarde de ontem, a sede da Associação dos Policiais, Bombeiros e dos seus Familiares da Bahia (Aspra), em Salvador, foi fechada por determinação da juíza Janete Fadul de Oliveira, do Plantão Judiciário, que acatou pedido do Ministério Público.

Marcos Prisco, líder grevista da Aspra, acampado na Assembleia Legislativa da Bahia desde o início da greve, concedeu uma coletiva ontem com colete à prova de balas.

O clima de apreensão devido às ações de vândalos se manteve durante toda a sexta-feira. Quatro caminhões, dois supermercados e uma farmácia foram saqueados no bairro da Mata Escura, na capital. No bairro de Pirajá, também na periferia de Salvador, os comerciantes resolveram fechar as portas mais cedo, após uma onda de saques aos estabelecimentos do bairro.

Manifestantes invadem ônibus para bloquear avenida na Bahia

No centro da cidade, um posto do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) antecipou o fim do expediente, e comerciantes do populoso bairro da Liberdade usaram tapumes para vedar as portas dos estabelecimentos. O boêmio bairro do Rio Vermelho, na orla, palco da festa de Iemanjá, na quarta-feira, ficou deserto. Na Pituba, área nobre da cidade, lojas começaram a fechar às 15h; as agências bancárias funcionaram, mas com poucos clientes.

Os pontos de ônibus passaram a tarde lotados devido a boatos de que o transporte coletivo não circularia após as 18h, mas a Superintendência de Trânsito e Transporte do Salvador (Transalvador) negou a suspensão do serviço. O Sindicato dos Rodoviários de Salvador também garantiu a manutenção do sistema de transporte, que circulou normalmente.

No bairro da Liberdade, 24 pessoas foram detidas nesta sexta, suspeitas de terem participado de arrombamentos e saques a estabelecimentos comerciais locais. No final da tarde outros suspeitos foram detidos sob a acusação de participação nos atos de vandalismo em várias partes da cidade. Durante as ações policiais, três revólveres foram apreendidos com os acusados.

Manifestantes acamparam na Assembleia
Veja Álbum de fotos

Interior

Em Camaçari, na região metropolitana de Salvador, o clima também era tenso. No início da tarde, os proprietários das lojas do centro da cidade fecharam as portas temendo arrastões. Dois pequenos shoppings centers também fecharam.

Em Feira de Santana, a 100 km de Salvador, a população ficou sem transporte público durante grande parte do dia. Já em Barreiras, no oeste baiano, os policiais militares decidiram em assembleia aderir ao movimento grevista e paralisaram as atividades após as 13h. Além de Barreiras, há paralisações nas cidades de Ilhéus, Jequié e Itabuna.

 

Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos