PT convoca militância em SP para defender proposta de reforma feita por Dilma

Do UOL, em São Paulo

Rechaçado pelos manifestantes na avenida Paulista durante o último ato pela redução das passagens em São Paulo, mês passado, o PT (Partido dos Trabalhadores) promete ir às ruas da capital paulista na próxima quinta-feira (11) defender a reforma política abraçada pela presidente Dilma Rousseff.

É na quinta que acontece o "Dia Nacional de Mobilização", evento para o qual estão confirmados, em diversos Estados e no Distrito Federal, movimentos sociais, sindicatos e centrais sindicais.

Plebiscito x referendo

  • Caio Guatelli/Folhapress

    Plebiscito é uma consulta direta ao cidadão em que ele se manifesta sobre um assunto antes que uma lei sobre o tema seja estabelecida. Leia mais
    Referendo é uma forma de consulta ao cidadão sobre um determinado tema. No entanto, ele ocorre quando o povo é chamado a manifestar-se sobre uma lei após ela ter sido elaborada e aprovada pelos órgãos competentes do governo federal. Leia mais

  • Arte/UOL

    Quem é a favor do plebiscito: O governo federal. "É muito importante que o povo opine. A reforma política se arrasta há anos. É necessário que o povo diga qual o sistema que ele quer", disse o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. Leia mais
    Quem é a favor do referendo: A oposição ao governo. Os oposicionistas afirmam que o referendo tem maior facilidade de ser colocado em prática porque os temas da reforma são complexos para serem respondidos de forma simplificada pela população em um plebiscito Leia mais

A "convocação" da militância é para a avenida Paulista, às 14h, em frente ao Masp. Em nota publicada no site oficial do diretório, a presidente do grupo, vereadora Juliana Cardoso, sugeriu: "Conclamamos aos militantes petistas somarem com as forças democráticas e populares, principalmente nossos parceiros dos movimentos sociais, a estarem na rua fortalecendo as lutas na defesa da democracia e do governo Dilma."

Entre as bandeiras da reforma que serão defendidas pelo PT paulistano estão a de uma "reforma política com participação popular", "plesbicito já", "eleições de 2014 regidas pelas novas regras da reforma política" e a "democratização dos meios de comunicação".

É a primeira vez que o partido vai às ruas em defesa da reforma proposta por Dilma após o posicionamento da presidente, tornado público após a onda de manifestações que terminou em atos de vandalismo e cenas de repressão policial por todo o Brasil.

"Para a Bancada do PT [na Câmara dos Deputados] –partido de raízes populares e construído no chão da fábrica e nas ruas–, o plebiscito sugerido pela presidente qualifica, mediante a participação popular, o processo de reforma política, tantas vezes iniciado, mas ainda não concluído pelo Congresso Nacional. A sociedade deve ser ouvida sempre", salientou, também em nota, o líder da bancada petista na Câmara, José Guimarães (PT-CE).

MST também defenderá reforma proposta pelo governo

Nessa sexta (5), organizações do campo se reuniram com a presidente Dilma e também defenderam apoio ao plebiscito da reforma política proposto pelo governo. As entidades, entre elas o MST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra), também disseram que vão se juntar à paralisação nacional marcada pelas centrais sindicais para o dia 11 de julho.

Reforma eleitoral

  • Arte UOL

    Se o plebiscito fosse hoje, como você votaria?

Na ocasião, uma das bandeiras das entidades do campo será a defesa do plebiscito. "Nós não nos sentimos representados por este Congresso Nacional", disse Alexandre Conceição, integrante da direção nacional do MST, após a reunião com Dilma.

Segundo ele, no encontro, as entidades cobraram do governo mais agilidade e menos burocracia. "É preciso e é urgente que o governo se desburocratize e possa fazer mais", declarou. (Com Valor)

Notícias relacionadas

titulo-box Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos