Carlos Madeiro

Carlos Madeiro

Siga nas redes
Reportagem

Pesquisa brasileira indica cannabis eficiente para deter mosquito da dengue

Uma pesquisa feita com Cannabis sativa em Pernambuco aponta que o extrato da planta se mostrou eficiente para impedir a evolução da larva se tornar o mosquito Aedes aegypti, transmissor de dengue, zika e outras arboviroses.

O artigo com conclusões inéditas e promissoras foi publicado pela Editora Atena e foi coordenado por Suelice Guedes, enfermeira especialista em oncologia e hematologia, sob orientação da professora Sônia Pereira Leite. Ainda assinam o texto os pesquisadores Antônio Fernando, Tainá Maria e Paloma Lys.

A pesquisa foi realizada pelo Programa de Pós-Graduação em Morfotecnologia, do Centro de Biociências da UFPE (Universidade Federal de Pernambuco) em parceria com a Associação Aliança Medicinal, de Olinda (no Grande Recife), que tem autorização judicial para o plantio, cultivo e comercialização da cannabis sativa.

Como foi a pesquisa

Suelice Guedes explica que realizou uma análise fitoquímica da cannabis, que é um tipo exame dos compostos que ela contém. "Nós fizemos um extrato da planta e o colocamos em contato com os ovos e larvas do Aedes", explica.

Para chegar ao resultado, a pesquisadora utilizou esse extrato de plantas cultivadas em contêineres da Aliança para testar o efeito no desenvolvimento das larvas do Aedes.

Pesquisadora Suelice Guedes
Pesquisadora Suelice Guedes Imagem: Arquivo pessoal

Continua após a publicidade

A evolução da larva seguiu normalmente até o terceiro estágio, quando começamos a observar mudanças. No quarto, essas mudanças ficaram mais perceptíveis e quando analisamos o microscópio, vimos que a membrana peritrófica [que protege o intestino das larvas] estava exposta. Se ela se rompe, a larva não segue sua evolução normal.

Guedes explica ainda que, com essa alteração, a larva não consegue passar para o estágio seguinte, que é anterior ao de virar mosquito.

Após os resultados promissores dessa primeira fase, ela explica que novos testes ainda devem ser feitos para compor o resultado final da pesquisa. "Se for comprovado nos testes finais [esse efeito], teremos uma opção para controle epidemiológico".

Leque de opções com a cannabis

Suelice integra a coordenação de pesquisa científica da Aliança Medicinal e afirma que essa pesquisa ajuda a abrir as possibilidades para novos trabalhos científicos com a planta.

Continua após a publicidade

Pesquisas como essa envolvendo a cannabis abrem portas e outras possibilidades de estudos com a planta. Devemos divulgar a importância que tem em relação ao uso medicinal e explorar outras técnicas e experimentos.

Clique aqui e conheça os efeitos medicinais já comprovados da cannabis.

Flores secas da cannabis usado durante pesquisa em Pernambuco
Flores secas da cannabis usado durante pesquisa em Pernambuco Imagem: Arquivo pessoal

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes