Topo

Coluna

Chico Alves


"Inteligência emocional do presidente é -20", diz Joice Hasselmann

Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

17/10/2019 19h18Atualizada em 19/10/2019 00h25

Destituída do cargo de líder do governo no Congresso, a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) mantém seu estilo de jogar sempre na ofensiva. Em entrevista à coluna diz que o "castiguinho" não a abala e sai criticando desde o presidente Jair Bolsonaro (a quem atribui inteligência emocional -20) ao líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (ao qual se refere como "um nada").

Não se intimida nem com a chuva de críticas que passou a receber nas redes sociais nos últimos dias. Atribuiu os ataques a uma "milícia digital" dos Bolsonaros, que, segundo ela, tem robôs e gente paga. Garante que deixa a liderança com sensação de dever cumprido e confirma que vai ser candidata à Prefeitura de São Paulo pelo PSL.

UOL - Como soube da notícia de que deixaria de ser líder do governo no Congresso?
Joice Hasselmann - Soube pela imprensa, tive essa surpresinha. Foi bem divertido. Depois, o ministro queria falar comigo, o Ramos (Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo), mas eu estava falando com as pessoas que me ligaram, muita gente perguntando como vai ser a partir de agora.

Qual a sensação de deixar a liderança dessa forma?

Posso seguir em frente sem flexibilizar, tive que ficar neutra quando gostaria de mostrar que eles (o governo) estavam errados em algumas decisões. Num ambiente de desinteligência e beligerância precisava de alguém para construir pontes. Fiz isso, toquei toda a liderança do Congresso e da Câmara, porque o líder da Câmara, todo mundo sabe, coitado, é um nada. Todo mundo sabe que as derrotas que o governo teve na Câmara foi por causa desse menino. Entreguei a reforma da Previdência, o PLN que deu ao presidente Jair Bolsonaro R$ 248 bilhões e livrou o presidente do impeachment, saio com meu dever cumprido.

Mas de qualquer forma a sra. continua no partido do governo.

O complicado é que governo consegue brigar com a oposição, com o centro e agora conseguiu com o PSL. É sazonal, eles ficam brigando pra lá e pra cá. Não interessa qual o partido, sempre vai ter confusão porque esse é o perfil do presidente. Não assinei aquela lista para destituir o líder porque achei uma traição, o próprio nome do Waldir foi defendido pelo Eduardo Bolsonaro no começo do ano. Eu queria eleição, fizemos um embate por isso. E agora, aos 48 do segundo tempo querem voltar atrás? Eles não têm palavra? Eu tenho palavra. Disse que Delegado Waldir teria meu apoio até o final do ano ou algum outro líder que representasse o partido. Não é o caso do Eduardo Bolsonaro que está ali de aspone... Ele não é respeitado pela bancada, tanto que não teve a maioria. Apresentou uma lista, mas teve que fazer praticamente uma coação de deputados, chamaram no palácio, alguns assinaram as duas listas. Bastava chamar para conversar, sem usar tapetão, sem usar a Presidência da República para isso.

Qual é, afinal, o motivo de fundo dessa briga entre governo e PSL? É o fundo partidário?
Falta de inteligência. Não existe um motivo real para essa briga. Infelizmente, o presidente tem muitas qualidades, mas a inteligência emocional dele é -20, não é nem zero. Então ele fala demais, acabou atacando o presidente do partido...Diz: "O presidente do partido passa por investigação...". Sim, mas o filho dele também é investigado e está no partido! "Ah, mas o presidente do partido tem não sei o que lá envolvendo laranjas". Sim, mas o ministro dele também. Esses dois pesos e duas mediadas deixaram a bancada dividida desnecessariamente. Um grupo se formou em torno do Eduardo, o pessoal do baixíssimo clero do PSL que criou esse clima da discórdia convenceu o presidente de que seria possível dar ao Eduardo a liderança. Entraram de gaiato nesse navio (risos).

A sra. já está enfrentando muitas críticas de bolsonaristas nas redes sociais. Isso deve aumentar.

Eles têm uma milícia virtual e todo mundo sabe disso. São pessoas interligadas em todo Brasil, algumas recebendo para isso e outras não. Muitos robôs. Já sabia e não estou nem aí para isso., Eles têm uma milícia de ataque que não se sustenta. Por exemplo, eu tenho pouco mais de seis milhões de seguidores, mas tenho alcance muito maior que o dos Bolsonaros. Porque eu não tenho robô, não tenho milícia, meu alcance é orgânico, não é aquela milícia maluquinha, Bolsonaros e aliados. Por isso há cinco anos ganho prêmio de pessoa mais influente no ambiente digital.

Ainda mantém a ideia de ser candidata à prefeitura de São Paulo pelo PSL?

Candidatíssima. A minha ideia é trazer PSL e partidos aliados para fazer uma grande aliança e botar ordem na Prefeitura de São Paulo. Tenho um presságio muito bom. Sempre que tentaram puxar o meu tapete eu caí para cima. Foi assim a minha vida inteira. Então, isso me diz que a Prefeitura de S. Paulo é minha.

A "puxada de tapete" foi a destituição da liderança?

É como se dissessem "vou dar um castiguinho nela", como se eu estivesse preocupada com isso. Imagina se eu vou ficar abalada com 1.500 haters dessa milícia digital espalhada pelo Brasil? Isso pra mim é nada.

ERRATA: A coluna errou ao citar o deputado Major Vitor Hugo como líder do PSL na Câmara. Na verdade, ele é líder do governo na Câmara

Chico Alves