PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Chico Alves


Entidades estudantis pedirão indenização para candidatos por erros do Enem

Presidente da UBES, Pedro Gorki - Divulgação
Presidente da UBES, Pedro Gorki Imagem: Divulgação
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

21/01/2020 04h00

A União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES), a União Nacional dos Estudantes (UNE) e a Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG) decidiram que vão acionar hoje o Ministério Público Federal para buscar indenização por danos morais aos candidatos do Enem que foram prejudicados pelo erro na correção do último exame. No sábado 18, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, admitiu que houve "inconsistências" na correção da última prova objetiva que afetaram o resultado de milhares de estudantes.

"Nosso objetivo é uma reparação material aos candidatos por conta do prejuízo psicológico e emocional que tiveram com essa quebra de expectativa", explica Pedro Gorki, presidente da UBES. Se a reclamação das entidades for aceita pelo MPF, os candidatos poderão impetrar uma Ação Civil Pública para garantir indenização.

O presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Alexandre Lopes, disse ontem que pelo menos 80% das notas erradas foram aumentadas após passarem por revisão dos gabaritos.

O prazo para inscrição no Sisu, com base nas notas do Enem, será aberto hoje e o prazo de inscrição foi estendido: vai até domingo. Lopes justificou o tempo maior para inscrição para dar tempo de participantes prejudicados analisarem a nota correta hoje e escolherem qual universidade querem cursar.

O presidente da UNE, Iago Montalvão, disse que a entidade tem recebido muitas mensagens com denúncias de erros nas notas. "Essa negligência do MEC levou a uma situação em que não há mais confiança e segurança nas notas obtidas por centenas de milhares", escreveu Montalvão no Twitter. Ele pede realização de auditoria na correção do Enem.

Chico Alves